Apenas generalidades – Jornal A Gazeta

Apenas generalidades

Mudança, mudança e mudança é o que mais se tem ouvido dos candidatos a cargos majoritários e mesmo dos demais ao longo dessa campanha eleitoral insossa, mas até então soam apenas como generalidades para atrair a atenção do eleitorado.

Quando alguns candidatos, por exemplo, falam em investir no agronegócio, precisam especificar o que entende por agronegócio e apontar que mudanças seriam essas que pretendem fazer.

Se seria transformar novamente o Acre em uma imensa pastagem de gado, reeditando a tragédia de três décadas passadas com os conflitos agrários, a expulsão do homem do campo para as cidades para agravar ainda mais os problemas sociais como o do desemprego e, por conseguinte a criminalidade.

Pelo histórico de alguns candidatos, a impressão que se tem é justamente esta, porque eles continuam achando que a floresta é um empecilho ao desenvolvimento e não uma solução, com o aproveitamento da imensa gama de recursos naturais através das chamadas cadeias produtivas que já estão dando bons resultados para os pequenos e médios produtores rurais.

Outra questão é a da segurança pública, sobre a qual também só se ouviu generalidades. Prometer apenas que vão aumentar o efetivo policial para combater a criminalidade não basta, porque o problema é maior e a atribuição constitucional e competência de vigiar as fronteiras são do Governo Federal.

Esses são apenas dois exemplos das tais mudanças genéricas, vazias.

Assuntos desta notícia