Após mais de um mês, delegado aguarda laudo para fechar inquérito de mulher que atropelou e matou homem – Jornal A Gazeta

Após mais de um mês, delegado aguarda laudo para fechar inquérito de mulher que atropelou e matou homem

Após mais de um mês da morte de Adauto da Silva Ferreira, de 53 anos, atropelado no dia 18 de julho, na Rua Rio de Janeiro, em Rio Branco, a Polícia Civil anda não fechou o inquérito e aguarda o laudo da perícia. A informação foi confirmada pelo delegado responsável pelo caso, Fabrizzio Sobreira.

Sobreira afirmou que já ouviu a motorista Maria da Silva Souza, de 53 anos, e outras testemunhas, mas que precisa esperar o resultado da perícia para fechar a investigação.

“Até agora não fechamos o inquérito, esse laudo é peça fundamental nesse caso, apesar de termos imagens e testemunhas, mas o laudo vai nos dizer mais alguma coisa. Já ouvi a motorista e testemunhas, que devem ser ouvidas de novo após o laudo”, disse o delegado.

O Instituto Médico Legal informou que o laudo já está pronto, mas que somente após o protocolo interno é que deve ser entregue à autoridade policial. Segundo o órgão, a perícia constatou que a causa determinante do atropelamento foi a saída de pista do veículo.

Em recuperação

A motorista que atropelou e matou Ferreira segue em recuperação após fraturar a terceira vértebra cervical. Maria da Silva Souza, de 53 anos, contou que aguarda pela fisioterapia que deve fazer e disse que não iria comentar mais sobre o caso.

“Estou me recuperando ainda. Estou aguardando uma fisioterapia que vai ser necessária. Não estou podendo passar nenhuma informação”, afirmou Maria.

Em julho deste ano, a motorista chegou a se emocionar ao lembrar do acidente e afirmou que tentou parar, mas que o freio do veículo não funcionou e o cabo do acelerador ficou travado.

Ela disse que viu Adauto, mas pela velocidade do impacto achou que ele estava em uma motocicleta. Ela afirmou que lembrava do momento em que apoiou a mão em cima do capô do veículo e depois caiu sobre o vidro do carro.

Acidente

Adauto, segundo a família, tinha ido buscar o carro dele que estava em uma oficina próximo ao local do acidente, quando foi surpreendido pelo carro.

Além de Maria, uma amiga dela que era passageira no veículo levou 16 pontos na testa. Imagens, que viralizaram nas redes sociais, mostram o momento da colisão.

Além de Ferreira, a família perdeu outro ente. Um irmão da vítima que estava internado com hepatite morreu horas depois do acidente sem saber do que havia ocorrido com Adauto. Os dois foram velados juntos.

Assuntos desta notícia