Aumento da tarifa de ônibus compromete 20% do salário mínimo, diz economista – Jornal A Gazeta

Aumento da tarifa de ônibus compromete 20% do salário mínimo, diz economista

Quem usa transporte público todos os dias na capital acreana vai pagar mais caro pelo serviço a partir desta quinta-feira, 14. O preço da passagem passa de R$ 3,50 para R$ 4, para quem vai pagar no dinheiro. O valor da tarifa utilizado com bilhetagem eletrônica será de R$ 3,80. O preço da tarifa estudantil permanece R$ 1.

Mas, qual o impacto do reajuste no orçamento do trabalhador que recebe um salário mínimo por mês? A reportagem conversou com o economista Carlos Franco sobre os gastos com transporte público em Rio Branco.

Levando em conta os R$ 4 cobrados pelas empresas de ônibus para quem paga no dinheiro, o trabalhador gasta por mês R$ 192 somando a ida e a volta. A quantia corresponde 20% do salário mínimo, que hoje é de R$ 954.

“Quem precisa de ônibus em geral é a classe baixa, então é um impacto muito grande. Quanto menor a receita da família, maior o peso do segmento alimentação no orçamento dela. Esse dinheiro faz falta para comida. Ou a pessoa anda de ônibus ou ela come”, destaca.

Os números apresentados pelo economista se aproximam da média nacional. De acordo com pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o gasto com deslocamento chegou a 20,1% do orçamento do brasileiro, em 2010. Em 2000, esse tipo de serviço comprometia 18,7% das despesas de consumo do cidadão.

Em Rio Branco, o reajuste homologado pela prefeitura na última sexta-feira, 8, gerou polêmica. Vereadores, representantes de movimentos sociais e usuários de transporte público criticaram o aumento. Porém, a prefeita Socorro Neri alega que acompanhou todo o processo com a preocupação de que a nova tarifa ficasse no valor “estritamente” necessário à sustentabilidade do sistema.

“O que chamei de tarifa justa e, por incompreensão deste termo ou interesses políticos, tenho tido minha honra e condição de mulher duramente atacadas. Com certeza seria mais fácil ceder aos apelos populistas ou daqueles que pouco se importam com a regularidade dos transportes coletivos, mas não posso agir de forma irresponsável e inconsequente. Meu único interesse é o bem público, e este requer decisões responsáveis, consequentes e sustentáveis juridicamente, ainda que impopulares”, diz em nota.

Para tentar derrubar o novo valor da tarifa de ônibus, o advogado Gabriel Santos e o assistente social Carlos Gomes, ambos da Rede Sustentabilidade, entraram com uma ação judicial contra o reajuste. A justificativa, segundo eles, é de que o aumento é abusivo e que o processo não respeitou os prazos e trâmites da lei municipal.

Independente de polêmica e ações judiciais, quem continua a sentir no bolso o peso do aumento é o trabalhador que utiliza transporte público todos os dias. É o caso da empregada doméstica, Antônia Silva, de 49 anos. Sem carteira assinada, ela conta que recebe apenas uma ajuda de custo para o transporte e ainda não sabe se vai receber aumento.

“Poucas pessoas têm condições de assinar carteira e a gente se vira com o que dá. Não sei se vou receber aumento para ajudar a pagar a passagem de ônibus. Meu patrão ainda não falou sobre isso comigo, mas se eu não tiver nenhuma ajuda vai ficar difícil continuar trabalhando só pra pagar passagem de ônibus”.

 

 

Assuntos desta notícia