Brasileiro acusado de explodir presídio na Bolívia é condenado a 30 anos de cadeia – Jornal A Gazeta

Brasileiro acusado de explodir presídio na Bolívia é condenado a 30 anos de cadeia

A disputa entre grupos criminosos que disputam o poder em presídios da Bolívia resultou em um atentado a bomba no presídio de Mocoví, localizado no interior de Trinidad, estado de Beni, na noite do dia 19, segunda-feira passada.

Lucas Rossendi Saraiba se declarou culpado pela morte de Mauricio Soliz Rojas e Rubén Darío Salazar Abrego, além de quase 30 presos que ficaram feridos. O Ministério Público do País, pediu de modo emergencial a transferência do acusado para o presídio de Chanchocoro, no distrito de San Pedro (La Paz), considerado um dos piores do mundo.

A transferência de Lucas, acontece logo após ser condenado a mais 30 anos de prisão pelo crime de assassinato e associação criminosa. Segundo foi informado pelas autoridades do País, o grupo criminoso PCC estaria muito presente na região de Chapare, uma vez que a Bolívia é “muito disposto’ para o tráfico de drogas.

As investigações concluíram que Lucas teria conseguido entrar com a granada escondida dentro dos alimentos. Após uma tentativa de trégua entre os presos, o que não aconteceu, o brasileiro lançou a granada, matando dois e deixando vários feridos. Sua transferência dar-se-á na tentativa de evitar outros conflitos na unidade prisional.

 

Assuntos desta notícia