Cláudio Porfiro – Jornal A Gazeta
  • Por quais trilhas aqui chegastes

    Já se haviam passado doze milhões de anos do início da grande marcha. Aqueles homens e mulheres de olhos oblíquos tiritavam de frio. O deslocamento, vagaroso e intermitente, atingiu, pois, a parte mais a leste da região caucasiana e das estepes siberianas. Eles buscavam chegar...

  • Monólogos de uma ninfa ligeiramente ruiva

    Nasci perfeita e bela nos meus cachos ruivos e olhos verdes clarinhos. Só depois é que veio a prancha e melhorou tudo ainda mais. Prefiro dizer que não tenho exatamente um nome. Melhor assim. Talvez irresoluta, um dia, e muito segura de mim, no outro,...

  • Os monólogos bizarros do Senhor Candongas

    Viajei por aí durante algumas semanas e, na chegada, fui ter com os melhores amigos do mundo, no boteco tão amado e fofo. A dor do parto, na superior maioria dos casos, é equivalente à alegria do regresso. Entre muitos rapapés, saravás e brindes diversos, a lambança correu solta...

  • Por mares tantas vezes navegados…

    Estava meditando há pouco sobre as razões ou paixões que levam alguns a agir e a reagir das formas mais diversas possíveis. Não é necessário tanto estudo para que a alma seja levada a mergulhar nas profundezas do racional mais puro, como Immanuel Kant. Da...

  • Interessa mesmo é aparecer bem na foto

    É oportuno misturar fatos quadrados a personagens redondos. Há os que gostariam de uma análise, aqui, a respeito do fenômeno que representam as academias de ginástica e as suas relações com a modernidade. Há outros que cogitam a possibilidade de um comentário acerca das complicações...

  • O livro de Telmo Vieira e o grito dos excluídos

    Caminhamos céleres. Sobrepujamos obstáculos de toda ordem. Vivemos. Todavia, humanamente erráticos, tropeçamos feio e descuidamos no trato com os demais seres. Erguemos as vistas aos céus e nos perguntamos porque tanto frenesi e tanta arrogância. As respostas, às vezes duras, nos vêm, amanhã ou depois,...

  • Fio navalha arte destemor

    Vivi e vi por aí afora gentes e pessoas. As primeiras estavam sempre acordadas, vibrantes e aguerridas, e as segundas sempre a quase dormir, como se não fossem deste plano material. Enquanto muitas vêm para a vida cheias de atitudes, como se estivessem em um...

  • Por mares tantas vezes navegados…

    Estava meditando há pouco sobre as razões ou paixões que levam alguns a agir e a reagir das formas mais diversas possíveis. Não é necessário tanto estudo para que a alma seja levada a mergulhar nas profundezas do racional mais puro, como Immanuel Kant. Da...

  • Alguma vaidade; orgulho comedido

    Escorreguei o corpo suado doído e dormi por sobre as raízes da vaidade. É árvore frondosa e bela, travesseiro muito duro, posto que exige de todos e de cada um sempre e muitos dispêndios materiais, além daqueles que se relacionam à alma. Passaram-se horas a...

  • Para muito além da luz do fim do túnel

    A noite viria logo em seguida, naturalmente. Naquele momento, ao cair da tarde do sábado iluminado, ainda cintilavam alguns últimos e tênues raios de sol. Os fios de gelo, remanescentes do inverno, nas montanhas ao longe, se vestiam de uma tonalidade azul clarinha brilhante e...