Cláudio Porfiro – Página: 20 – Jornal A Gazeta
  • Névoa densa em campos de algodão seco

    Uma tarde, ela finalmente se foi, depois de dizer que apenas compraria um cigarro na esquina. Mas não demorou nem uma lua e já havia voltado, exatamente quando ele também já se houvera ido. E, quando ela mais uma vez partiu, ele estava de volta...

  • Espadachins troteadores em noites de frio intenso

    Será ele um pensador longevo, quando lograr subir o degrau que o ascenderá à octogésima volta ao redor do sol. Hoje, no entanto, o velho menino magro amanheceu azedo. Conseguiu a indizível façanha de travar um embate particular e ridículo entre o filósofo que ainda...

  • Jardins de ossos em noites de rocambole

    Todo dia ela passava pela calçada da mesma rua, o corpo vinha vestido e a alma andava nua. Ele não lhe dava o alimento e muito menos o sustento que à moda do fermento faz o ventre liso crescer. E a paixão era tanta, crescendo...

  • E foi a primeira vez…*

    Na distância, as luzes tremeluziam e traduziam a poesia do velho esteta, indiscreta, como a alma do suarento poeta, nas mais variadas cores, revolvendo velhos amores, que passaram tão rapidamente e, consequentemente, deles já sequer ficou a semente da idade que roubou um tanto de...

  • Vadiagem, flanação, drogas e rock n’ roll

    Convicção aguda paira sobre mim. Estou certo de que nós geramos, erramos, parimos e criamos muitas gerações de políticos sem sangue, sem suor e sem vergonha, com algumas exceções, é claro. Ainda pior é observar que fizemos descender, diretamente pela via da nossa testosterona, uma...

  • A princesa em lágrimas caóticas

    Meu bom amigo Sebastião  Afonso Viana Macedo Neves, saudações republicanas! Como registravam os antigos, rogo que esta ao chegar às tuas mãos vá encontrar-te gozando da mais perfeita harmonia junto aos que lhe são caros, muito especialmente aos seus familiares. Que Deus vos ilumine sempre! Tive...

  • Vestígios de bem querer

    Clara Manhã, ou Sarah, filha minha, veja como são as coisas aqui por este mundo de meu Deus! Aço puro. Água na fervura. Preconceitos na boca da botija. Infidelidade partidária ou conjugal. Chutes em baldes e no pau da barraca. Uma zorra! Enquanto isso, de um lado,...

  • À moda dos clássicos

    Para os justos e mansos de coração, como eu, na visão dos que apreciam as viagens colossais deste eu poético insano e mundano, está agora a se fechar apenas uma porta grande e pesada, bem fadada, com aldravas e dobradiças de ferro fundido, esculpido. A...

  • O principado ao sopé dos Andes

    Ai do vento se ali não fizer a curva. Vire brasa o céu se ali não cair a chuva. Toquem as trombetas porque um povo se agiganta. Desembainhem as espadas porque a luta será tanta, que o inimigo há de clamar por misericórdia. Eu sou...

  • Os velhos ladrões

     A sua mãe um dia lhe disse que mentir para os outros é muito ruim, mas você não ouviu direito. Nem ligou. Rodopiou sobre o salto quinze. Sorriu como uma hiena. Olhou de lado feito um javali mostrando os dentes sem nenhum medo. Chutou o...