Cláudio Porfiro – Página: 41 – Jornal A Gazeta
  • Colocação Desengano

    O INVERNO DOS ANJOS DO SOL POENTE   CAPÍTULO XXVII É o começo do fabrico do ano de 1938. As estradas de seringa ainda estão sendo limpas e as seringueiras, raspadas. Fui aconselhado a ficar por dois dias em companhia de Seu Zé Raimundo e Dona...

  • Assédio moral e preconceito racial

    O negrinho do pastoreio é um símbolo da mitologia brasileira que, depois de morrer em cima de um formigueiro, onde fora colocado de castigo pelo patrão branco, voeja o pampa gaúcho e, maldosamente, vive espalhando o medo entre as pessoas montado em cavalo possante a...

  • Assédio moral e preconceito racial

    O negrinho do pastoreio é um símbolo da mitologia brasileira que, depois de morrer em cima de um formigueiro, onde fora colocado de castigo pelo patrão branco, voeja o pampa gaúcho e, maldosamente, vive espalhando o medo entre as pessoas montado em cavalo possante a...

  • A fome de Marina

    Permiti-me porque fui autorizado, tendo em vista a campanha que se acirra, considerando o momento de júbilo por que passam os acreanos e o valor incomensurável do que me chegou às mãos. Quanta luminosidade em apenas um texto! Não faz muito tempo, o grande Caetano...

  • A fome de Marina

    Permiti-me porque fui autorizado, tendo em vista a campanha que se acirra, considerando o momento de júbilo por que passam os acreanos e o valor incomensurável do que me chegou às mãos. Quanta luminosidade em apenas um texto! Não faz muito tempo, o grande Caetano...

  • Rir de mim!

    Nasci artista, formei-me em Letras e na bebida busco esquecer. Não trabalho em nenhuma editora, mas vivo revisando e revisitando textos que não me dizem respeito ou não me pediram para revisar ou revisitar. Pela manhã, ligo aquela máquina infernal, arlequinal, dantesca, que me leva...

  • Rir de mim!

    Nasci artista, formei-me em Letras e na bebida busco esquecer. Não trabalho em nenhuma editora, mas vivo revisando e revisitando textos que não me dizem respeito ou não me pediram para revisar ou revisitar. Pela manhã, ligo aquela máquina infernal, arlequinal, dantesca, que me leva...

  • Vida nova e solidão

    O INVERNO DOS ANJOS DO SOL POENTE     CAPÍTULO XXVI José Cláudio Mota Porfiro* Ato a tipóia e passo a ler as anotações feitas desde Boca do Acre em papel de embrulho e garatujas e garranchos em lápis de carpinteiro, daqueles de risco mais grosso. A...

  • Melancolia

    Boca do Acre, Amazonas. Defronte à edificação bem pintada de verde e no meio de uma relva surpreendentemente sadia e bem cuidada, está uma placa tosca onde se lê: Capitania dos Portos. Um homem de dois metros, de nome Gino, está a nos receber à...

  • Lula é o melhor dentre todos!

    Por mais que a vida ande por estas viagens tão constantes, por estas idas e vindas de um cotidiano pleno de tantos sábios e de tantos quantos sempre dados à enganação, jamais deixarei de estar de braços dados com a verdade, por onde quer que...