Francisco Assis dos Santos – Jornal A Gazeta
  • Pobreza no Brasil: Dedução conceitual

    Debaixo das eternas falácias do tipo “a crise empurra 4.5 milhões para a extrema pobreza”, e dos eternos clichês: “os ricos continuam mais ricos e os pobres cada vez mais pobres” saiu nova estatística sobre a pobreza no Brasil. Agora são 13.5 milhões que vivem...

  • Alma humana: depois da morte!!

    Imortalidade da alma humana parece redundante, mas não é. No estudo da metafísica (além da física) aprende-se que os animais não racionais têm alma “instintiva” e, que, a flora, as espécies botânicas e todas as plantas em geral, possuem alma “vegetativa.” Fiódor  Dostoiévski (1821-1881) dizia...

  • Função humanizadora da Filosofia

    Uma das tarefas básicas da Filosofia, enquanto ciência universal, além de nos ensinar a pensar, é a sua função humanizadora em ajudar o homem a se encontrar consigo mesmo através das respostas às questões fundamentais que o afligem, orientando-o na busca da verdade e na...

  • Contrastes das nossas cidades

    Francisco Assis dos Santos* Hoje, volto o meu olhar “estrábico” para as nossas  cidades com seu brilho e suas luzes, seus exuberantes arranha-céus e imponentes avenidas, suas movimentadas noites e seus grandes negócios, onde se vale pelo que se tem e se vende o que...

  • Criança de Rua!

    O título em epígrafe “Criança de Rua” não aponta, obviamente, para as crianças que vivem em lares estruturados, com pais responsáveis, comprometidos com a educação, a saúde e o crescimento equilibrado de seus filhos. Também não se trata de crianças de antigamente, que brincavam nas...

  • O meu lado intolerante… quase fascista

    Claro que tenho o “meu lado intolerante”. No meu caso, a minha intolerância é quase fascista. Ando meio irritado e deveras contrariado com os acontecimentos que fogem a minha idéia de mundo civilizado. Afinal, uma das características do fascista é não admitir a contrariedade, oposição...

  • Guetos existenciais

    Num destes finais de semana, para fugir da overdose do futebol, voltei a assistir o filme O PIANISTA, que retrata a cruel ocupação Nazista (1940) em Varsóvia, na Polônia.   Nesta cidade, os judeus foram isolados da população não judia, num gueto, onde são forçados a...

  • “Estive pensando!”

    Francisco Assis dos Santos* Estive pensando, que preciso pensar, já que, no dizer de Nietzsche (1844-1900) pensar é um ato de altíssima intensidade emocional. “eu ainda vivo, ainda penso; ainda tenho de viver, pois ainda preciso pensar”, dizia ele. Pensar revela a própria essência do...

  • Vida humana: efígie do mal

    Basta uma simples olhada no panorama mundial, para constatar  que o homem do mundo de hoje está embrenhado no vale da sombra da morte. Muito além dum mato sem cachorro.  Vivemos  uma crise profunda  de representação. As forças positivas, diria um pensador contemporâneo, são muito...

  • Violência urbana: o que fazer?

    Quando se coloca em discussão as agruras enfrentadas pela sociedade em decorrência dos problemas advindos da brutal violência urbana, as causas mais comuns são: a pobreza ou a miséria; as desigualdades sociais; a falta duma política educacional que venha abranger o jovem na sua totalidade;...