Coluna Política Local – 03.03.2018 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 03.03.2018

Clima quente
A chapa esquentou na Câmara de Rio Branco ontem por conta da votação do PL do Executivo que pedia a autorização da Casa Legislativa para a prefeitura contrair um empréstimo no valor de R$ 14,5 milhões. O valor seria destinado à conclusão das obras do Shopping Popular. A única coisa que faltou foi os vereadores saírem no braço.

Faz parte
O debate acirrado faz parte do parlamento, claro que dentro dos limites necessários. Portanto, não vejo como descontrole a fala dos parlamentares. Apenas externaram suas opiniões. Agora, que foi desnecessário o vereador N. Lima chamar os camelôs de “povinho”, isso foi.

No rumo certo
Os pontos levantados pelo parlamentar eram coerentes, ainda que a situação ou os camelôs discordassem. Sua derrocada veio quando optou pelo caminho mais fácil: a agressão verbal.

Precisa de frieza
Detentor de mandato precisa ter frieza para ouvir o contraponto de sua opinião, ainda que este seja feito por meio de vaia. Se não está preparado para ser contrariado, pede para sair, então.

Sem equilíbrio
É consenso entre os vereadores da situação que às vezes falta equilíbrio nos discursos de N. Lima. Ontem foi um bom exemplo disso.

Ele também
E se Rodrigo Forneck (PT), Railson Correia (Podemos) e Eduardo Farias (PCdoB) foram desrespeitosos com N. Lima ao ficarem de costa durante seu pronunciamento, o que dizer do democrata após “ofender” a população. Lamentável!

Em Brasília
A peregrinação do prefeito de Epitaciolândia, Tião Flores (PSB), nos gabinetes dos deputados federais e senadores renderam bons frutos para o município. Ele saiu de Brasília com o empenho de R$ 5.276.000,00 em emendas parlamentares previstas para o ano de 2018.

Mandato positivo
A administração de Tião Flores tem marcado positivamente a cidade que, em um ano, recuperou sua situação financeira, construiu e recuperou mais de 400 km de ramais, realizou mutirões de saúde, de ecossonografia, de odontologia e investiu pesadamente em educação e na área de melhoramentos urbanos, especialmente na coleta de lixo e na abertura de vias.

Já está valendo
A lei que prevê multa em caso de reincidência e até cancelamento do alvará de funcionamento das agências bancárias da Capital que deixarem usuários nas filas – por mais de 30 minutos em dias normais e 45 minutos em dias de pico – foi publicada no Diário Oficial. Uma cópia da nova lei será encaminhada as agências bancárias, ao Ministério Público e ao Procon. Vejamos se agora.

Sai ou não?
Pelo fato de ser um dos maiores defensores do governador Tião Viana, dentro e fora da Aleac, o anúncio da possível saída do deputado Jonas Limas do PT pegou muita gente de surpresa.

Magoado
Nem quando foi proibido de participar de uma reunião entre os deputados da base e o governador Tião Viana, em 2013, o petista pensou em deixar a sigla. O corte de integrantes do seu grupo que ocupavam postos no Deracre e Detran, em Cruzeiro do Sul, lhe deixou realmente ressabiado.

Não sai
Jonas disse que seu tempo dentro do PT ainda não acabou, mas deixou claro que está perto. E, contrariando o que vem sendo divulgado, não irá para a oposição e muito menos apoiará a pré-candidatura de Gladson Cameli (PP).

Apoio a Marcus
Ainda que saia do PT, Jonas garante que manterá sua palavra e pedirá votos para o prefeito Marcus Alexandre. Quem convive com o petista sabe que ele não volta atrás em sua palavra, portanto, acredito que seguirá Marcus até o fim.

O PT perde
Ainda sobre a saída de Lima do PT, uma coisa não se pode negar: o partido perderá muito caso ele deixe a legenda. Jonas é uma importantíssima liderança política no Vale do Juruá. Sem ele, o PT perde muito espaço naquela região.

Está demitida
O deputado Jesus Sérgio (PDT) seguiu a mesma linha do colega de partido, Heitor Junior, e pediu a demissão da diretora do Hospital das Clínicas, Juliana Quinteiro. O discurso aconteceu após o falecimento de um jovem que aguardava há quatro meses a realização de uma avaliação para saber se precisava passar por procedimento cirúrgico ou não.

Com razão
Jesus Sérgio bateu na tecla da humanização na área de Saúde. Tanto se fala e pouco se vê. Para ele, o que aconteceu com Emerson Maia foi uma negligência por parte da direção do Hospital. Certamente o caso será apurado, mas, infelizmente, ainda que se encontre o “culpado”, não mudará em nada o fato de uma mãe ter perdido seu filho.

Assuntos desta notícia