Coluna Política Local – 05.01.2019 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 05.01.2019

Normal 

Vejo com naturalidade a decisão do governador Gladson Cameli (PP) em pedir a Procuradoria-Geral do Estado que revise todos os assinados pelo ex-governador Tião Viana (PT) nos últimos seis meses. Isso ocorre sempre em mudança de gestão. A exceção no Acre só ocorria devido à sequência de governos do PT.

Objetivo

O porta-voz do Estado, Rogério Venceslau, em conversa com a imprensa, ressaltou que a medida busca trazer transparência. Importante ressaltar que o ato de Cameli não visa denegrir a imagem do antigo gestor. O foco é identificar alguma anomalia que possa gerar despesas à nova gestão, que poderá ser suspensa ou até mesmo revogada.

Atos revisados

Os atos que serão alvos de investigação da Força-Tarefa serão decretos, portarias, atos normativos, diárias, licitações e tudo que geraram despesas nos últimos seis meses. O porta-voz de Gladson lembrou ainda que até mesmo a licença-prêmio concedida a Sebastião no último dia útil de 2018 pode ser revisada pela PGE.

Governo transparência

Cameli determinou ainda que todos os secretários façam um levantamento detalhado da real situação dos órgãos que até o dia 31 de dezembro estavam sob o domínio da gestão de Tião Viana. A palavra de ordem do novo governo é transparência.

Se resguardando

Ainda que pareça ofensivo à antiga gestão, é necessário que Cameli tome essa atitude. O que o progressista está fazendo é se resguardando. Vai que no futuro é responsabilizado por alguma decisão da gestão petista. A ideia de Cameli é divulgar na imprensa todos os atos revisados, bem como as eventuais irregularidades encontradas.

Contrário

Quem não curtiu nadinha essa determinação foi Leonildo Rosas. E questionou: “Uma pergunta aos mais velhos: já pensaram se o Jorge Viana tivesse montado força-tarefa para apurar os atos do governo que lhe antecedeu? Qual seria o resultado?”. O petista, ao fazer tal questionamento, alfineta diretamente o governo de Orleir Cameli, tio de Gladson, que antecedeu ao de Jorge Viana em 1999.

Mais ações

Gladson pretende também rever a questão do pagamento da pensão paga aos ex-governadores. O novo chefe do Executivo acreano já mostrou ser contra à remuneração após o término do mandato, principalmente porque o valor é idêntico ao que recebem os governadores no exercício da função.

Estudo

Nos bastidores corre a notícia de que Cameli teria determina um estudo da situação jurídica dos pagamentos para verificar a partir de quem ela deve ser extinta. A Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), por exemplo, já aprovou o fim dessa aposentadoria, contudo, a princípio, a emenda à Constituição Estadual só valeria a partir de Cameli.

Na própria carne

O gestor progressista teria que cortar na própria carne para atingir os petistas de Jorge Viana, Binho Marques e Sebastião Viana, dentre outros. Se  deixar de pagar as aposentadorias, até a esposa do ex-governador Orlei Cameli, Beth Cameli, que é tia de dele, será atingida pela medida, juntamente com um filho menor de idade do falecido ex-chefe do executivo.

No bolo

Quem também sai perdendo nessa história é Flaviano Melo e Romildo Magalhães, aliados de Cameli.​

Ainda preso I

O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Felix Fischer, não concedeu medida liminar ingressada pela defesa do prefeito de Senador Guiomard, André Maia (PSD).  O magistrado solicitou ainda informações ao Ministério Público do Acre para que se manifeste também sobre o assunto.

Ainda preso II

No último dia 21, o desembargador Laudivon Nogueira negou o pedido de revogação de prisão preventiva de André Maia, do ex-secretário de Finanças, Deusdete Cruz, e do pregoeiro Estácio Parente de Souza. O magistrado alegou que os três apresentaram os requisitos para prisão preventiva por estarem ligados diretamente na administração da suposta Organização Criminosa e que caso ganhassem liberdade, poderiam colocar em risco a ordem pública, considerando o fato deles não medirem esforços de tentar atrapalhar as investigações.

No RBprevi

Marcelo Macedo deixará a Secretaria Municipal de Finanças, mas assumirá o comando da pasta da RBprevi. Ponto para a prefeita Socorro Neri (PSB) que mantém em sua equipe uma pessoa de extrema competência como Macedo.

Cancelado

A notícia da suspensão do reajuste da tarifa de energia pela Justiça agradou muito a população. O Acre segue o exemplo de Rondônia, onde o reajuste também foi cancelado.

Se organizando

O pagamento do 13º salário residual dos servidores públicos do Acre é tratado como prioridade na Casa Rosada desde que Cameli começou a despachar. A equipe econômica do novo governo já se reuniu para alinhar a questão. A dívida deixada pela gestão anterior chega a R$ 54 milhões.

Recursos

Apesar de a dívida ser de R$ 54 milhões, o Governo do Acre receberá em janeiro, segundo previsões do Tesouro Nacional, mais de R$ 100 milhões. Já em fevereiro, a expectativa é a de que o Acre seja agraciado com R$ 162 milhões a mais. Quase R$ 300 milhões para menos de 60 dias. Os valores devem tirar o Estado do sufoco.

Assuntos desta notícia