Coluna Política Local – 08.03.2018 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 08.03.2018

Alterando a LO
O vereador Roberto Duarte (MDB) quer alterar a lei orgânica de Rio Branco. O objetivo do emedebista é possibilitar que o debate sobre a tarifa de ônibus volte à Câmara Municipal.

Apoiando a ideia
A matéria conta com o apoio ainda dos vereadores Lene Petecão, Célio Gadelha, Clézio Moreira, N. Lima e Emerson Jarude, que defendem que a Câmara não pode ficar alheia a esse debate, tendo em vista que interfere na vida de milhares de pessoas.

É contra
O vereador Rodrigo Forneck, líder do PT na Câmara, diz que é necessário despolitizar a tarifa e, uma vez que o reajuste estará disponível em um portal de transparência, acha desnecessário trazer esse debate novamente para a Casa Legislativa.

É válido
Com a devida vênia, discordo de Forneck. Acho importante a participação dos vereadores nesse debate. Não vislumbro o motivo de os vereadores optaram por abdicar de suas prerrogativas de voz no Conselho Tarifário. Chega a ser surreal essa decisão. Enxergo essa situação como um limite no debate democrático. Enfim, apenas minha opinião.

Futuro de Bocalom
O futuro de Tião Bocalom será resolvido nesta quinta-feira, 8, ocasião em que acontece a tão esperada reunião entre ele e o presidente nacional da legenda, Agripino Maia, em Brasília. Na ocasião, ficará sabendo se continua ou não no comando da legenda no Acre.

Deixando o DEM
Em entrevista a um site local, Bocalom confirmou que não ficará no partido caso o deputado federal Alan Rick seja referendado como o novo presidente regional do DEM.

Apoiando Ulysses
Ainda sobre Bocalom, sua saída do DEM não se resume apenas à mudança de presidente, mas também porque existe a possibilidade de o partido apoiar a pré-candidatura de Gladson Cameli ao governo. O democrata já disse que não recua da sua decisão de apoiar o militar Ulysses Araújo.

Já falou
Não é de hoje que o PRB anuncia a possível saída da FPA, caso a coligação opte por um chapão na disputa às vagas na Assembleia Legislativa. A legenda tem trabalhado para garantir o retorno de seus parlamentares. Aderir ao chapão seria uma sentença de morte.

Critério técnico
O presidente do PT, Daniel Zen, em nota, negou que a contratação da filha do deputado Jonas Lima (PT), à secretaria-geral da JUDEAC, tenha sido em decorrência do anúncio dele que, supostamente, deixaria o partido devido algumas insatisfações. Critérios técnicos foram levados em consideração.

Deixou o PR
O ex-prefeito de Epitaciolândia, André Hassem, abandonou o Partido Republicano (PR) e migrou para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB). A ficha de filiação na nova agremiação foi entregue nessa semana no gabinete do deputado Flaviano Melo (MDB) presidente regional da sigla no Acre.

Câmara Federal
André tentará nas eleições de 2018 uma vaga para deputado federal. Nos bastidores circula a notícia de que Marcio Bittar (MDB) foi o responsável por levar o polêmico ex-prefeito para a sigla.

Empolgado
O deputado estadual Raimundinho da Saúde (Podemos) segue afirmando que conseguirá derrubar o veto governamental da lei que transforma o Pró-Saúde numa autarquia. Já repetiu por diversas vezes que tem voto o suficiente. A conferir.

Na dianteira
Uma pesquisa divulgada pela CNT/MDA, ontem, mostra que mesmo com a possibilidade de ser impedido pela Justiça Eleitoral de disputar as eleições presidenciais de 2018, Lula continua liderando com folga a corrida presidencial.

Dados
De acordo com o levantamento, no cenário em que aparece como uma das opções, Lula lidera com 33,4% das intenções de voto, frente aos 16,8% alcançados pelo segundo lugar, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Vídeo
Por falar no ex-presidente Lula, ele publicou um vídeo nas redes sociais para comentar a decisão do STJ, proferida ontem, de negar habeas corpus que o livraria da prisão após sua condenação em segunda instância. No vídeo, ele classifica como injusta a condenação.

Lula disse
“Se não provar um real na minha conta, um dólar na minha conta que não seja meu, eu teria que ser considerado um preso político. E eles terão que arcar com uma responsabilidade de ter a pessoa que foi o melhor presidente do Brasil, a pessoa que lidera todas as pesquisas de opinião pública, seja feita por inimigo ou por amigo. Ou seja, eles vão ter que arcar com o preço de decretar minha prisão”, afirmou.

Assuntos desta notícia