Coluna Política Local – 27.09.2018 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 27.09.2018

Tiro no pé

Ainda repercute as críticas feitas pela a FPA contra o ex-governador falecido Orleir Cameli. Muitos eleitores não aceitaram os argumentos, em especial os que moram no Vale do Juruá, onde a família Cameli tem muitos admiradores.

Pegou mal

O que pesou não foi a crítica em si, mas o fato de tratar-se de uma pessoa já falecida e que não pode mais se defender. Pegou mal mesmo.

Caminhada

Muita gente na caminhada em apoio à candidatura de Gladson Cameli (PP). Mais uma vez o bloco conseguiu mostrar que a campanha da oposição está organizada e unida. Não será fácil para a FPA derrotar essa galera.

No jogo

Marcus Alexandre (PT) continua no jogo. Seu nome tem sido bem aceito pela população. Embora a oposição acredite que vai levar o governo ainda no primeiro turno, não creio. O segundo turno no Acre é uma realidade.

Abandonou

O locutor e propagandista Sílvio Santos largou a campanha do coronel Ulysses Araújo (PSL) ao Governo do Estado. Dizem que ele não andou concordando com o modus operandi da turma. Dizem que no mesmo dia aderiu à campanha da “onda azul”. É um dos apoiadores da campanha de Gladson Cameli (PP).

Virou o jogo

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP), que até pouco tempo era tido como um dos piores gestores que a cidade já teve, pelo andar da carruagem, virou o jogo. Depois de colocar a “casa em ordem”, o progressista tem recebido alguns elogios da população. Ilderlei aproveita sua boa fase para fortalecer a candidatura de Cameli ao Governo do Estado.

Indo bem

E quanto à disputa às vagas na Câmara Federal, no que diz respeito à oposição, circula nos bastidores que o progressista Rudilei Estrela foi o candidato que mais cresceu em Rio Branco nessa reta final. Justifica-se, pois recebeu o apoio do vereador Célio Gadelha (PSDB) e do candidato a deputado estadual Renê Fontes (PTB).

A resposta

O senador Jorge Viana (PT), em nota, afirmou que não irá responder aos ataques que vem sofrendo nessa reta final da campanha. Ele disse que sua trajetória política e seu trabalho se sobrepõem a qualquer comentário feito a sua pessoa.

Jorge disse

“Essa bandeira do Acre, que todo mundo se orgulha de mostrar, é símbolo de tudo aquilo que a gente já fez e vai continuar fazendo para melhorar a vida das pessoas”, declarou o senador e candidato à reeleição.

Foi excluída

O grupo político da candidata ao governo Janaína Furtado (REDE) anda indignado. O motivo, a Rede Amazônica, afiliada da Rede Globo no Acre, excluiu-a do debate que ocorre no dia 2 de outubro, por não ter alcançado 6% nas pesquisas de intenções de votos.

Atitude esperada

Em nota, o partido disse que já esperava essa postura da emissora e ainda fez referência à eleição de 2016, quando o então candidato a prefeito da Capital, Carlos Gomes, também foi impedido de participar.

Protesto

O porta-voz da Rede no Acre, Júlio César Freitas, repudiou a decisão da emissora e afirmou que atos como este prestam um desserviço à democracia.

Participação ceifada

“A única mulher que teve a coragem de enfrentar o grande desafio de ser a primeira candidata ao governo da história do Acre, teve sua participação ceifada”, lamentou Júlio Freitas.

Questionamentos

“Qual motivo leva a emissora a impedir uma jovem mulher candidata ao Governo do Acre de participar de um debate eleitoral? Qual prejuízo a participação dela causaria à emissora, à sociedade acreana ou mesmo a qualquer outra pessoa ou instituição?”. Estes foram os questionamentos feitos pelo porta-voz da Rede no Acre.

Candidatura barrada

O ex-prefeito de Plácido de Castro, Paulo César da Silva (PRP), teve seu registo de candidatura a deputado estadual barrado pelo ministro Luiz Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral.

Motivo I

A decisão do ministro Fachin ratifica a condenação imposta a Paulo César na Justiça do Acre pela prática de atos de improbidade administrativa, ocorridos de 2010 e 2012 quando ele ainda era prefeito de Plácido de Castro.

Motivo II

O despacho do ministro Fachin relata que o ex-prefeito foi condenado por desvio de tijolos de olaria pública. O ex-gestor foi apontado por ter emprestado 90 mil tijolos, em 2010, sem usar procedimento licitatório, para um empresário local construir três fornos.

Assuntos desta notícia