Coluna Política Local – 31/10/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 31/10/2017

Espanto e indignação
Estranhamente a Operação Buracos, da Polícia Federal, ocorreu após o anúncio da pré-candidatura de Marcus Alexandre (PT) ao governo do Estado, em 2018. Ou teria sido apenas coincidência? Pois bem! O fato é que o gestor nunca se negou a depor ou entregar qualquer tipo documento quando solicitado, portanto, causou espanto ter sido levado coercitivamente para depor.

Dantesco
O petista Cesário Braga, em postagem no Facebook, chegou a declarar que se tratava de politicagem. “A política suja já começou”, disse ele. Custo a acreditar que a Polícia Federal se prestaria a esse papel. Mas, também considero legítimo o questionamento do petista, que comunga da ideia de muitos outros militantes.

Político honesto
O governador Tião Viana (PT), em nota, destacou a forma honesta como Marcus Alexandre tem conduzido a prefeitura da Capital. Da mesma forma, outros políticos como o senador Jorge Viana, deputados Lourival Marques, Jonas Lima, Raimundo Angelim, Leo de Brito, vereadores Mamed Dankar e Rodrigo Forneck.

Ele disse
“É, sim, doloroso que pessoas honestas, trabalhadoras e dispostas à colaboração com as autoridades passem por constrangimentos desnecessários. Mas, assim está o Brasil”, disse Tião Viana.

Violência
O presidente do PT, Daniel Zen, considerou uma violência a ação praticada contra prefeito e pontuou que tal atitude não cabe no ordenamento jurídico, ainda mais quando tais “conduções” são baseadas em supostas ilegalidades cometidas em ações e projetos que já foram exaustivamente fiscalizados e aprovados pelos órgãos de controle responsáveis.

Foram duros
A equipe da Prefeitura de Rio Branco também divulgou nota e o discurso foi o mesmo dos demais. O que leva a condução coercitiva quando o prefeito nunca se negou a prestar nenhum esclarecimento aos órgãos de controle?

É inocente
Quanto ao caso, deve-se levar em consideração que o prefeito foi levado apenas para ser ouvido. Contra ele não existe nenhum denúncia formalizada, portanto, deixemos de lado as condenações antecipadas. E até que tudo seja resolvido, que prevaleça o Princípio da Presunção de Inocência.

Perda de tempo
Uma grande perda de tempo a oposição tirar dividendos dessa situação. Com a popularidade que o prefeito Marcus Alexandre tem, a única coisa que conseguirão é fortalecê-lo ainda mais. A atitude pode ser vista como perseguição.

Tranquilos
Os últimos acontecimentos não conseguiram tirar o brilho e a felicidade da militância petista com o anúncio da pré-candidatura do Marcus ao governo no próximo ano. Já declararam que é uma questão de honra sua vitória. A disputa se tornará ainda mais acirrada.

Barganha
Surge nos bastidores a notícia de que Edvaldo Magalhães teria colocado o PCdoB no debate a vice na chapa majoritária da FPA para ter munição na hora de barganhar a presidência da Aleac na próxima legislatura.

Sem possibilidade
Perguntei a um deputado estadual sobre essa possibilidade e a resposta foi: só tem direito à janela quem está no avião há mais tempo. Então, tá!

É o escolhido
O vice na chapa majoritária da FPA não foi anunciado, mas isso em nada muda a decisão de que o escolhido é o secretário de Segurança, Emylson Farias. O nome já foi chancelado. Questão de tempo o anúncio.

Alegre
Quem está sorrindo a toa é o presidente do PDT, Luiz Tchê. Emplacar o nome de um pedetista na chapa majoritária da FPA coloca o PDT no time dos partidos com mais credibilidade junto ao PT. A realização do sonho de Tchê.

Nada de acordo
O DEM continua com a ideia fixa de não formar nenhuma aliança com o PMDB na disputa à Câmara Federal. Sabe que se fizerem isso estarão dando adeus à reeleição de Alan Rick (DEM). Quanto ao PP, nos bastidores comenta-se que os progressistas estão começando a mudar de ideia. Mas, por enquanto, nada confirmado.

Assuntos desta notícia