Coluna Política Local – 8.6.2019 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 8.6.2019

A casa está caindo
Fagner Calegário tem um grande problema nas costas. Já não bastasse estar sendo processado pela Justiça Eleitoral, foi agora indiciado pela Polícia Civil pela prática de violação de direito autoral. As chances de ele perder o mandato crescem a cada dia. Bom para o juiz aposentado Pedro Longo, primeiro suplente. A vaga pode acabar caindo em suas mãos.

Isentos
No que diz respeito à ação junto à Justiça Eleitoral, a presidente do Partido Verde, Shirley Torres, nega que a legenda tem alguma coisa a ver com os processos contra o deputado estadual Fagner Calegário na Justiça Eleitoral.

Documentado
Torres esclarece que tanto ela quanto Pedro Longo assinaram documentos nos quais se comprometem a não tomarem quaisquer medidas contra o deputado caso ele saia mesmo do PV.

Denúncia I
Nos bastidores, a notícia que circula é que Calegário está sendo denunciado por compra de votos em 2018, em processo parecido com o do deputado Josa da Farmácia (Podemos). O parlamentar, inclusive, já foi cassado. Está em grau de recurso o processo.

Denúncia II
E quanto à outra denúncia, de acordo com o parecer, o deputado e sua empresa, além da violação de direito autoral, também praticaram plágio de 99% das questões do cargo de enfermeiro, da prova original do concurso da Universidade Federal de Santa Catarina, no ano de 2006.

Difícil
A situação de Calegário é bem delicada, ainda mais porque as provas contra ele, nas duas denúncias, são bem robustas. Não será fácil para Calegário sair dessa.

Legislatura
amaldiçoada?
Essa nova legislatura já está sendo vista como “amaldiçoada”. Já nos primeiros seis meses têm três deputados com a corda no pescoço. O que esperar até o final dela? Já tem parlamentar se benzendo.

Novo progressista?
O ex-vereador Nei do Miltão, forte nome para a disputa da prefeitura de Senador Guiomard, em 2020, pode ir parar no Partido Progressista, do governador Gladson Cameli. Apesar dos rumores, Militão já andou afirmando que até o momento não conversou com nenhuma liderança do partido. Mas, pelo tom do ex-vereador, caso a proposta seja feita, as chances de aceitação são enormes.

Nenhuma novidade
Não é de hoje que surgem denúncias sobre médicos que atendem em consultório particular no horário de expediente na unidade pública de saúde. Essa denúncia contra o diretor-geral do Hospital de Urgência de Emergência de Rio Branco, Welber de Lima, é só mais uma em meio a tantas. A questão é: o que o novo governo fará com relação a isso?

Nada bom
Não é nada bom para o Estado ter caído para a categoria C na análise do Banco Central sobre a capacidade de pagamentos. Perde o selo de bom pagador.

Bom ou ruim?
O Estado encontrará também dificuldade na obtenção de empréstimos. Diante da atual dívida do Acre por conta de empréstimos, até que esse empecilho não soa tão ruim assim.

Compensação?
Há quem considere a queda positiva, pois o Acre acaba entrando na lista de prioridades regionais do Governo Federal para o plano de assistência aos governos endividados. Com isso, pode ter facilitada a renegociação da dívida, mas vai ter que se adaptar às regras rigorosas em estudo pelo governo Bolsonaro.

Ele avisou
O vereador João Marcos Luz (MDB) deve estar sorrindo à toa. Desde que assumiu o mandato, em fevereiro deste ano, vem batendo na tecla sobre a suspeita de fraudes nos processos licitatórios apresentados à Emurb. A fala de prefeita Socorro Neri, ontem, durante o lançamento da Operação Ramais 2019, só corroborou que o emedebista tinha certa razão.

Fraude
Neri citou que há empresas participando da licitação sem, ao final, ter o produto para entregar à administração pública. Ela acredita que isso vem ocorrendo apenas para tumultuar a gestão e atrasar os cronogramas de obras estabelecidos.

Resolução
A prefeita disse que vai buscar junto à Procuradoria do Município uma forma jurídica de barrar a entrada dessas empresas nos processos licitatórios da Prefeitura de Rio Branco.

Elogios
A prefeita não deixou de alfinetar o governo Gladson Cameli, que optou por realizar um cronograma de recuperação dos ramais apartado da prefeitura de Rio Branco. E tem razão quando diz que isso é ruim para o município, uma vez que o maquinário utilizado pela Emurb para este serviço era do Estado, e, agora, ela conta com as empresas vencedoras das licitações para a execução desses serviços. Uma parceria teria sido bem mais viável.

Já estreou
O ex-senador Jorge Viana já estreou como professor do curso de MBA em gestão no Instituto Brasiliense de Direito Público, a IDP, instituição cujo um dos sócios é o ministro Gilmar Mendes. O curso tem muito prestígio em Brasília.

Assuntos desta notícia