Coluna Política Nacional – 03.02.2019 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Nacional – 03.02.2019

Após apoiar Maia, Bolsonaro tocará reformas
O apoio do presidente Jair Bolsonaro à reeleição de Rodrigo Maia (DEM) somente foi concretizado após o presidente da Câmara convencê-lo dos seus compromissos com a agenda de reformas e diminuição do Estado. O discurso da vitória de Maia soou como música aos ouvidos do governo, ao afirmar que, nos últimos 30 anos o Brasil “foi capturado por interesses de corporações públicas e privadas”.

Modernização
No discurso, o presidente da Câmara deixou claro o compromisso de aprovar projetos que levem à modernização do Estado e da economia.

Previdência já
A prioridade absoluta será a reforma da Previdência, mas Rodrigo Maia gosta muito da ideia de acabar com a Justiça do Trabalho.

Privatização já
Um dos maiores desafios da Câmara, ao qual Maia prometeu apoio, será o arrojado programa de privatização e extinção de estatais.

Inimigas públicas
Pelo entendimento de Rodrigo Maia, as corporações comprometeram as despesas e deixaram o País sem capacidade de investimento.

Governo terá todos os cargos-chave na Câmara
A articulação do bloco de 301 deputados garantiu ao governo Jair Bolsonaro lugar nos principais cargos da Câmara dos Deputados. Além da presidência, que foi garantida a Rodrigo Maia (DEM), o bloco terá as vice-presidências e secretarias que nomeiam, contratam serviços, pagam passagens aéreas e administram imóveis funcionais e auxílios-moradia. Na prática, o bloco vai comandar todo o processo legislativo.

Tudo dominado
Os 301 deputados do blocão incluem parlamentares de onze partidos: PSL, PP, PSD, MDB, PR, PRB, DEM, PSDB, PTB, PSC e PMN.

Ficou para trás
Nos tempos de poder, com mensalão e petróleo por trás, os petistas presidiram a Câmara e controlaram a maioria dos seus cargos.

Na rabeira
Hoje, com mensalão e petróleo revelados, PT e seus puxadinhos têm bloco de 97 deputados. Garantiu só uma suplência na mesa diretora.

Culpa da Vale
O conselho editorial do importante jornal americano New York Times publicou editorial com a opinião dos seus editores, culpando a gigante de mineração Vale pela tragédia em Brumadinho. O jornal cita a manutenção precária de barragens. Já a imprensa brasileira…

Praga nos Detrans
Detrans apadrinhados por políticos são uma praga. No Recife, o novo dirigente do órgão, Roberto Fontelles, está sob pressão do lobby das empresas que querem aumentar o preço dos registros dos automóveis e expulsar concorrentes que cobram mais barato do consumidor.

Que Bolsonaro nada
Logo após sua reeleição como presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) não falou com o presidente Jair Bolsonaro. Preferiu falar com Andreia Sadi, concedendo-lhe primazia nas entrevistas.

Virou herói
O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) levou as redes sociais à loucura respondendo a Renan Calheiros: “Eu imagino a autoridade que vossa excelência tem de dizer que estou agravando a imagem do Senado”.

No caminho
O presidente nacional do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), subiu um degrau importante para se habilitar à sucessão de Rodrigo Maia na presidência da Câmara, em 2021: foi eleito vice-presidente.

Bancada de Ramalho
Os 66 votos no deputado Fábio Ramalho (MDB-MG) para a presidência da Câmara correspondente quase exatamente aos 67 que compareceram ao jantar de apoio que ele promoveu na véspera.

Essa conta não fecha
A refinaria vendida por US$562 milhões (R$2 bilhões) custou o dobro à Petrobras estatal brasileira, em 2006. A mesma refinaria que em 2005 fora comprada pela Suíça Astra por US$42 milhões (R$155 milhões).

Café forte
Aproximadamente 5 milhões de pessoas na América Latina e Caribe dependem diretamente da produção de café, Segundo dados do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

Pensando bem…
…em anos anteriores, a gritaria era restrita às eleições da Câmara, mas ontem o Senado bateu todos os recordes de eleição vergonhosa.

Assuntos desta notícia