Eleições – Jornal A Gazeta

Eleições

Estando às vésperas do domingo mais esperado dos últimos tempos, é possível perceber até onde o ser humano é capaz de ir para conseguir o que quer. Em busca do bem mais precioso, o voto, cada candidato, independente do cargo, faz discurso, muda posicionamento, promete, convida, oferece, toma café, come pastel de vento, entrega santinho, balança bandeira, aborda motoristas no sinal, anda de ônibus, abraça, beija e, vez ou outra, convence.

Se você foi abordado por um desses candidatos, avalie bem. Sinceramente, eu espero que o acreano saia de casa nesse domingo para votar no candidato que ele acha que trará mudanças. Não sei se todas que prometeram ou se vão ser boas para público A, B ou C. Mas, que mude.

Por isso, não incentivo o voto em branco, nulo ou aquele eleitor que prefere pagar aquela famigerada taxa de pouco mais de R$ 3 por não votar.

E eu ainda não falei daqueles candidatos mais conhecido como “volta dos que não foram”. Já tiveram no poder, mas não deixaram qualquer contribuição conhecida pela população. E agora tentam um cargo mais alto na escala política. Prometendo o que não podem cumprir. Isso sem falar que muitas vezes não sabem como fazer…

“Política é bem assim. Ou se ama loucamente ou se odeia”

Eleitor, que todos os anos ouve que o voto deve ser consciente, avalie bem suas escolhas. Se o candidato compra seu voto, qual a garantia de que ele fará um bom mandato?

Eu sei o quanto é difícil escolher. Nesse mundarel de candidatos. Política é bem assim. Ou se ama loucamente ou se odeia. E no Acre a situação é ainda mais voraz. Fica difícil se isentar. Então, se é para quebrar a cara, que seja de forma ativa e consciente.

Se você chegou até aqui. Saiba que os próximos quatro anos não serão fáceis nem para o povo e muito menos para quem for eleito. Isso é um fato.

Mas, como uma boa brasileira eu não desisto nunca. E sendo acreana eu não desisto nem com uma p****. Eu ainda tenho esperança de ver o meu estado e meu país evoluindo e garantindo o mínimo para todos. O mínimo!

Esse desejo ainda está longe de acontecer… Mas, é movida por ele que sairei de casa para exercer o meu papel de cidadã. E você?

 

BRUNA LOPES é jornalista

jornalistabrunalopes@gmail.com

Assuntos desta notícia