Em defesa deles – Jornal A Gazeta

Em defesa deles

A vizinha não está satisfeita com o barulho do cachorro ao lado. Ele late muito, perturba e tira o seu sossego. Cansada do incômodo, ela decide envenenar o animal e assim por um fim aos seus problemas.

Muita gente conhece alguém que já tenha feito isso. O caso é tão comum, que, ao relatar essa situação, a história parece ter sido apenas repetida.

Pense bem, caro leitor. Alguém que tem a capacidade de eliminar um animal com tanta facilidade e falta de remorso, poderia ser capaz de tudo. Tudo mesmo.

Se não existissem leis, códigos de conduta e consequências para quem tira a vida de outra pessoa, se o mundo fosse um lugar sem regras, muito provavelmente este tipo de pessoa que envenena e tortura cachorros e gatos, facilmente mataria um ser humano. Tiraria a vida de qualquer um que o incomodasse.

Não estou sendo radical. Tem gente que deseja a morte dos outros por puro ódio e rancor. Se na vida não houvesse leis, quem me garantiria que essa pessoa não faria o serviço com as próprias mãos?

Todos os dias os jornais e sites de notícias estampam matérias de crimes contra os animais. Rio Branco, mesmo sendo uma cidade pequena, está sendo palco de casos chocantes. Nem sempre as torturas e mortes dos bichos vão parar na mídia, mas é do conhecimento de todos que a prática é cometida aqui sem uma justa punição aos autores.

No último domingo, 26, ativistas que lutam pelo direito dos animais realizaram na Capital a Marcha Nacional em Defesa dos Animais. Eles reuniram um número significativo de pessoas para clamar por justiça. Mas de nada adiantará todo este esforço se os nossos representantes nas várias esferas do poder público não atuarem de forma sábia.

O trabalho da prefeitura a cada dia me surpreende positivamente. Mas arrancaria um imenso “muito obrigada” meu se investisse mais em garantir os direitos dos animais de Rio Branco. A criação de uma clínica veterinária popular não é apenas luxo para os animais domésticos. É questão de Saúde Pública.

A sociedade também deve ser parceira ao não abandonar seus bichinhos. Isso é crime e não o trará nenhum bom sentimento.

Esses amiguinhos peludos precisam de proteção e amor. Não custa nada fazer o bem.

* Brenna Amâncio é jornalista.
E-mail: brenna.amancio@gmail.com

Assuntos desta notícia