Gazetinhas – 12/05/2019 – Jornal A Gazeta

Gazetinhas – 12/05/2019

*Desemprego…

*A vida não tá fácil nem para o ex-senador Jorge Viana…

*Repercutiu muito a foto dele em uma lotérica fazendo uma ‘fezinha’ na Mega-Sena.

*Bom, ninguém é de ferro. Como diz o Zeca Pagodinho: “é ser humano!”.

*Na política local…

*Dura a reunião do governador Gladson Cameli (PP) com os deputados estaduais na última sexta-feira, 10.

* “Quem tá, tá! Quem não, tá, não tá”. A frase é do governador e pode ser compreendida como um recado direto ao deputado Roberto Duarte (MDB), que tem buscado ser ‘independente’.

*Em resposta Duarte disparou: “teremos candidatura à Prefeitura de Rio Branco, o governador não manda no MDB”.

*O certo é que desde que assumiu em janeiro, Gladson Cameli não pode contar com o voto dos emedebistas.

*Meire Serafim, Roberto Duarte e Antonia Sales fazem mandatos independentes. Nenhum dos três reza na cartilha dos articuladores de Cameli.

*A rebeldia dos emedebistas iniciou quando Gladson Cameli começou a nomear petistas em seu governo.

*Enquanto isso na rádio Aldeia…

* Sobre a possibilidade de atrasar o salário dos servidores, Cameli disse: “A possibilidade de eu atrasar é zero. A folha de pagamento eu vou honrar”.

* O governador foi além e alfinetou a gestão de Tião Viana. “Só esse mês foram 10 milhões de dólares em empréstimos que tivemos que pagar”.

*Sobre a reforma da previdência, Cameli disse que senão for aprovada, “90% dos estados da federação vão decretar calamidade financeira”.

*Deputado Jesus Sérgio (PDT/AC) faz um mandato com os pés no chão. Ao lado da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB/AC), eles têm furado o bloqueio com destaque na mídia.

*Assessoria de imprensa boa conta muito, viu?!

* O governador Gladson Cameli disse que enviaria a minirreforma ainda na sexta para Aleac para não perder tempo.

*Um deputado ligou dizendo a respeito: “mais um rompante”.

*Segundo o parlamentar, a reforma ainda não foi protocolada na Assembleia Legislativa.

*Tá certo… Fecha o pano!

*O povo acreano está desacreditado na política. Os dados são da Justiça Eleitoral. Dos 9.415 títulos passíveis de cancelamento, 879 foram regularizados. Ou seja, apenas 9%.

* Bom domingo e bom início de semana!

* INTERINO: JOSÉ PINHEIRO

 

 

 

 

 

Assuntos desta notícia