Gazetinhas – 31.01.2019 – Jornal A Gazeta

Gazetinhas – 31.01.2019

* “Isso tudo acontecendo e eu aqui na praça dando milho aos pombos”.
*Grande Zé Geraldo.
*Muita gente pensando no pós 31 de janeiro.
*É porque, depois disso, muitos ficarão na geladeira da política no Acre.
* “Sem falar na perda do foro privilegiado”, grita seu Tomás da Bolandeira, homem entendido das letras.
* Tá certo, seu Tomás.
*Dando muito o que falar esse bafão de ontem, 30, quando o secretário de Polícia Civil, Rêmulo Diniz, foi acusado de envolvimento com o crime organizado.
*Não vamos fazer julgamento antes da hora, gente!
*A respeito disso, acertada a medida do governador Gladson Cameli de afastá-lo, embora o MP/AC tenha se pronunciado e afirmado que o delegado não foi alvo de investigação.
*Pelo sim, pelo não, até que se esclareça tudo, o secretário permanece afastado.
*Mas, dificilmente volta a ocupar o cargo após o desgaste.
*Senador Jorge Viana, ao se despedir da política, disse que o ex-governador Tião Viana sofreu com a crise econômica dos dois últimos anos, com o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Lula e as pragas do Egito…
*Isso causou desconforto entre os irmãos Viana.
*Em resposta, Tião declarou que no governo de Jorge Viana quase não meteu o bedelho. “Recebi centenas de vezes menos atenção de seu governo do que ele do meu. Ainda assim, nunca reclamei ou critiquei. Apenas elogiei”.
*Magoou o Tião…
*Ao final do texto publicado por Leonildo Rosas, ex-porta-voz do governo Tião Viana, nas redes sociais, o ex-chefe de Estado diz:
* “Não me provoquem. Saí da vida pública na maior paz de consciência e do dever cumprido”.
*E ainda deu aquele leve carão de irmão: “Respeito é bom e eu gosto”.
*Certo.
*Na Aleac, ao que tudo indica, caminha para a eleição de Nicolau Júnior para a presidência e Luiz Gonzaga para a primeira-secretaria.
*Apesar de que, na reunião promovida pelo deputado Ney Amorim, só tinha membros da oposição ao governo Gladson. Xiii!
*Lembrou a ex-presidente Dilma: “você me dá um exemplo do ‘da cá’, eu te explico o ‘toma lá”.
*Corre nos bastidores do poder que parlamentares federais pretendem deixar o governo Gladson, caso ele nomeie na sua equipe o deputado Ney Amorim, que termina o mandato hoje.
*A movimentação desse grupo seria com vistas a 2022, ou seja, uma nova oposição deve surgir. Aguardar os fatos.
* Depois dessa, fecha o pano.
* Boa quinta-feira a todos!
*Interino: JOSÉ PINHEIRO

Assuntos desta notícia