Grupo vai investir no Acre quase R$ 150 milhões em usinas para tratamento de resíduos sólidos – Jornal A Gazeta

Grupo vai investir no Acre quase R$ 150 milhões em usinas para tratamento de resíduos sólidos

O Grupo Iner vai investir no Acre nos próximos seis meses uma média de R$ 150 milhões. O grupo visa instalar no Estado, com o apoio da iniciativa privada, pelo menos 8 usinas de reciclagem de lixo. O objetivo é fomentar o interesse dos empresários a ver no lixo uma fonte de renda e assim contribuir para com o meio ambiente e gerar riquezas.

Na tarde de ontem, 18, o representante do Grupo Usinas Iner em Rondônia e no Acre, Cleomilson Lima, esteve na sede da Fieac apresentando aos empresários acreanos a importância de dar ao lixo destinação adequada e fazer dele uma forma de ganhar dinheiro, através da transformação. Ele explica que pelo menos 8 cidades acreanas participarão do projeto.

“A gente tem tratamento para os metais, a gente trata os resíduos hospitalares, resíduos eletrônicos, vidros, pneus. Então, a gente tem tratamento para todo tipo de lixo, inclusive o chorume, que é o ácido do mundo que destrói os lençóis freáticos e as nascentes, ele vira adubo para nós. O nosso é lixo zero porque é aproveitado tudo. Inclusive resto de madeira, de poda, isso vira briquete. Então, assim, todo lixo é selecionado e se torna alguma coisa. As nossas usinas são diferentes todas justamente por isso”, disse Lima.

Com a vinda do Grupo Iner, a expectativa é de que 300 empregos diretos sejam gerados. As usinas que devem ser instaladas são: Incineradora de Resíduos Hospitalares (IRH), Unidade de Cremação de Animais (UCA), Unidade de Transformação de Vidros (UTV), Unidade de Processamento de Eletrônicos (UPE), Unidade de Produção de Briquetes (UPB), Unidade de Produção de Adubos (UPA), Unidade de Geração Elétrica (UGE), Unidade de Processamento de Pneus (UPP) e Unidade de Beneficiamento de Alumínio (UBA).

Com a vinda das usinas, o projeto Elo Social Cidadão também chegará ao Estado. A ideia é oferecer serviços de assistência social e saúde para as pessoas mais carentes, além de ofertar cursos profissionalizantes nas mais diversas áreas do conhecimento.

FOTO CEDIDA
Assuntos desta notícia