Mais de 100 assaltos e arrastões em ônibus preocupam usuários do Transporte Coletivo – Jornal A Gazeta

Mais de 100 assaltos e arrastões em ônibus preocupam usuários do Transporte Coletivo

Os assaltos e arrastões a ônibus continuam na capital acreana. Na última segunda-feira, 16, mais um caso ocorreu em Rio Branco, no coletivo que faz a linha do Conjunto Universitário. Perto da AABB, criminosos entraram armados no veículo, pegaram R$ 230,00 em dinheiro do motorista e um telefone celular de um passageiro.

Com essa ocorrência, já foram contabilizados mais de 100 casos de assaltos e arrastões dentro de ônibus, apenas neste ano. Em média, a frequência seria de 5 casos a cada duas semanas.

O tema assusta a população, pois milhares de pessoas utilizam o sistema de Transporte Coletivo em Rio Branco, e o Governo do Estado pouco tem conseguido divulgar as ações da sua pasta de Segurança Pública no sentido de combater este tipo de crime. O que as pessoas mais se deparam são com notícias sobre os ônibus que são alvo de arrastões de bandidos.

Na segunda-feira, 16, foi realizada uma reunião com representantes de empresas de ônibus, motoristas e de sindicato com autoridades das polícias Civil e Militar. O objetivo é dar continuidade ao planejamento estratégico de prevenção, diante dos relatos expostos pelos motoristas vítimas de assaltos. Reuniões similares, aliás, estão sendo feitas há meses. Porém, pouco se ouve sobre os encaminhamentos e resultados práticos, devido à falta de divulgação das ações governamentais.

Sobre a reunião, informações mais relevantes vieram dos motoristas que fazem parte do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Passageiros e Cargas do Estado (Sinttpac). O motorista Antônio Marques, que já foi vítima três vezes de assalto no trabalho, conta que o encontro serviu para tranquilizar e dar esperanças de dias melhores para a categoria.

Ainda ontem, a Polícia Militar apreendeu um grupo de adolescentes em frente à Igreja São Peregrino. Os adolescentes, ao que a PM indica, estariam a ponto de embarcar em um ônibus para cometer ato infracional de assaltos no veículo. A ocorrência não teve mais informações. A Polícia Militar se limitou a dizer que as estratégias de segurança podem ser comprometidas, caso houvesse maior divulgação. Mas, não são das estratégias contra os arrastões que a população quer saber, e sim sobre os resultados práticos delas.

A maior repercussão para o assunto ocorreu na Aleac e na Câmara Municipal. O deputado Roberto Duarte (MDB) enfatizou o número alto de casos, e cobrou medidas mais enérgicas para aumentar a segurança nos ônibus e coibir os assaltos.

No Parlamento Municipal, o vereador João Marcos Luz (MDB) informou ter encaminhado um ofício ao secretário estadual de Segurança Pública, Coronel Paulo Cézar, sugerindo ao Governo do Estado reforçar a segurança dos trabalhadores e usuários do transporte público coletivo de Rio Branco a partir de operações com policiais à paisana em ônibus.

Assuntos desta notícia