Mais de 450 casos de sífilis são registrados na Capital, em 9 meses – Jornal A Gazeta

Mais de 450 casos de sífilis são registrados na Capital, em 9 meses

BRUNA MELLO

A capital acreana registrou 459 casos de sífilis em pouco mais de nove meses. Do total, 228 casos são de sífilis adquirida, 157 em gestantes e 14 de sífilis congênita, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). Em 2016, foram notificados 601 casos o ano inteiro.
A situação gerou alerta e alvo de campanha. Na última semana, a secretaria realizou ações de conscientização e prevenção, chamando a atenção da população para a importância dos testes rápidos.
De acordo com a diretora da Vigilância Epidemiológica do Município, Socorro Martins de Souza, o número de notificações aumentou devido à facilidade de acesso aos testes rápidos, que podem ser feitos em todas as unidades básicas de saúde.
Os casos de sífilis adquiridas cresceram 47% nos últimos anos, já os casos em gestantes aumentaram 33%. A sífilis congênita reduziu 25% na Capital, segundo a diretora. “Isso, para nós, é bom porque detectamos a sífilis em gestantes. Estamos tratando e fazendo com que a criança não nasça com sífilis, não tenha sífilis congênita”.
Souza destaca que as ações de combate à doença ocorrem diariamente. Ela diz que é oferecido o exame para todos que procuram uma unidade de saúde, mesmo que seja em busca de outro tratamento. Se o resultado do texto for positivo, o paciente já começa o tratamento.
No Brasil, em apenas 5 anos, o número de casos de sífilis aumentou 5.000%, saltando de 1.249 em 2010, para 65.878 em 2015, segundo dados do Ministério da Saúde. Especialistas acreditam que os casos aumentaram porque as pessoas perderam o medo de contrair doenças sexualmente transmissíveis devido ao avanço dos tratamentos.

Consequências graves
Apesar de ter fácil diagnóstico e tratamento baseado em aplicações de penicilina, que curam rapidamente os pacientes em fases iniciais, a sífilis pode trazer graves consequências se não for tratada.
A sífilis é uma doença infecciosa e sexualmente transmissível causada pela bactéria chamada de Treponema Pallidum, popularmente conhecida como cancro duro. A infecção é altamente contagiosa e mostra os primeiros sinais nas fases iniciais poucos dias após a contaminação.
Os sintomas da sífilis avançam conforme a evolução da doença. Na maioria dos casos demora anos para apresentar qualquer sinal. A doença desenvolve lesões na pele, nos ossos e nas articulações, podendo causar aneurisma, meningite, paralisia geral e demência. Por isso, a prevenção é o melhor caminho.

Assuntos desta notícia