Mazinho Serafim acusa Gladson de “humilhação”; Governo rebate: Acre é maior que divisão de cargos – Jornal A Gazeta

Mazinho Serafim acusa Gladson de “humilhação”; Governo rebate: Acre é maior que divisão de cargos

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim (MDB), anda magoado com o governador Gladson Cameli (PP) e a cúpula de governo. Em um vídeo que circula nas redes sociais, o prefeito aparece ao lado da esposa, a deputada eleita Meire Serafim (MDB), e seu grupo político, além de vereadores de Sena Madureira.

Em tom de desabafo, Mazinho Serafim diz que fará oposição ao governo de Gladson Cameli nos quatro cantos do Acre. O motivo da chateação do emedebista seria a não nomeação dos nomes sugeridos por Mazinho para compor o novo governo. Pelo menos duas indicações foram rejeitadas, uma para compor a Rádio Difusora de Sena Madureira e a outra para chefiar o Núcleo de Educação Estadual no município.

“Eu nunca passei tanta humilhação como passei esses dias agora. Indicação para a Rádio Difusora de Sena, com funcionário do quadro, pessoa altamente perseguida pelo outro governo, não aceitaram. Foi execrada. Quadro altamente preparado como o Altermir Lira, funcionário do quadro da Educação do Estado também foi execrado. O que é que eu tenho que fazer mais na casa desse homem? Nada, nada!”, enfatiza Mazinho.

 E acrescentou: “então, daqui pra frente, eu vou trabalhar aqui, mas vou rodar esse Estado todinho com a Meire, de Brasileia a Cruzeiro do Sul, e vou me juntando com toda oposição que tiver nesse Acre. Quem perdeu é oposição. Sena Madureira sempre foi esquecida. O cara ganha e vai embora”, afirma o prefeito sem citar nomes, mas nos bastidores a fala é entendida como referente ao senador eleito Marcio Bittar (MDB), que não teve o apoio de Mazinho na última eleição. O prefeito optou por apoiar o então deputado petista, Ney Amorim, ao Senado.

Ainda de acordo com o gestor, em 2022, referindo-se à eleição para o Governo do Acre, Mazinho disse que pretende lançar um nome vindo de Sena Madureira. “Daqui pra frente, sou oposição e vou mostrar pra eles que daqui de Sena Madureira, na outra eleição, eu vou bater chapa com ele também. Talvez nem seja ele mais, porque ele é muito incompetente. É muito fraco, já mostrou que é fraco”, ressaltou.

O foco são os grandes problemas

Ao comentar a fala de Serafim, o porta-voz do Governo do Acre, Rogério Wenceslau, disse que Gladson Cameli está focado nos grandes problemas. “O governador está focado em resolver os grandes problemas do Estado. Essas questões internas estão sendo repassadas para os seus articuladores políticos; “me tragam os problemas grandes” é o que ele tem dito. Portanto, a insatisfação de um ou outro aliado por conta de cargos não vai se sobrepor à política macro  de desenvolvimento econômico, de valorização do servidor público e do restabelecimento da paz e da ordem no nosso Estado”, afirmou o porta-voz, sobre o assunto.

 Posição do MDB quanto ao assunto

Em nota, o partido afirma que as declarações de Mazinho Serafim “refletem apenas os seus posicionamentos individuais”, e não da sigla.

O MDB reitera total apoio ao governo de Gladson Cameli, e salienta que a fala de Mazinho não tem o aval do partido. “A Executiva do Movimento Democrático Brasileiro vem a público externar o seu apoio incondicional ao governador Gladson Cameli, cujo Governo ajudou a construir e onde tem efetiva participação”, diz trecho da nota, assinada pela Executiva Estadual do MDB/AC.

Não chamou ninguém

Toda celeuma envolvendo Mazinho Serafim e o governador Gladson Cameli começou quando, ao declarar rompimento com o novo governo, Mazinho comentou sobre um encontro com o senador Jorge Viana (PT/AC), em Sena, e de uma possível reunião que deveria acontecer na próxima semana com a presença de parlamentares petistas e eleitos pela oposição a Cameli.

Em relação a esse assunto, o senador Jorge Viana enviou nota à imprensa afirmando que não participou de nenhuma articulação política, nem mesmo de seu partido. E reiterou que, ao deixar o mandato dia 31 de janeiro, “o senador também pretende manter distância das atividades políticas por um tempo”, diz trecho da nota.

Sobre a passagem por Sena, a nota é taxativa ao afirmar que houve apenas um encontro informal com o prefeito Mazinho Serafim. “Aproveitamos para deixar claro que durante sua passada por Sena Madureira, o senador foi convidado pelo prefeito Mazinho Serafim para tomar um café. E foi isso que ele fez, deixando claro que os problemas políticos da oposição devem ficar com a oposição”, finaliza a nota assinada pela Assessoria de Imprensa do senador.

JOSÉ PINHEIRO

Assuntos desta notícia