MPF denuncia grupo de caçadores que agia no interior do Acre – Jornal A Gazeta

MPF denuncia grupo de caçadores que agia no interior do Acre

O Ministério Público Federal no Acre denunciou à Justiça Federal um grupo de homens que agia no interior do estado promovendo caçadas de maneira regular há vários anos, tendo promovido o abate de animais da região, como onças pintadas, capivaras, catetos, veados e outros. O grupo foi denunciado também pelo crime de associação criminosa armada, além do crime de guarda de material oriundo das caçadas (carne, peles, etc).

Durante a investigação, além de farta documentação colhida, como fotos, vídeos, e outros, também houve monitoramento dos celulares dos envolvidos, que mantinham conversas frequentes por meio de grupos em aplicativos de mensagens, onde organizavam as caçadas. Em apenas três meses de monitoramento, foram registrados 11 episódios de caçadas, e apenas neste período foram mortos pelo bando, cerca de oito onças pintadas, 13 capivaras, 10 catetos e dois veados mateiros.

O membro mais antigo e mais ativo do grupo, o dentista Temístocles Barbosa Freire, caça animais silvestres ilegalmente pelo menos desde 1987, havendo informação de que somente ele pode ter matado mais de mil onças pintadas neste período.

Além de Temístocles, também viraram réus na ação penal  Gilson Dória de Lucena Júnior (médico), Sinézio Adriano de Oliveira Júnior (servidor do Poder Judiciário), Gilvan Souza Nunes (agricultor),  Gisleno José Oliveira de Araújo Sá (agente penitenciário), Manoel Alves de Oliveira (eletricista), Sebastião Júnior de Oliveira Costa.

Os réus podem receber penas de prisão e multa, que podem variar de acordo com a participação de cada um nos crimes cometidos.

FOTOS/CEDIDAS
Assuntos desta notícia