Os líderes religiosos e a depressão – Jornal A Gazeta

Os líderes religiosos e a depressão

E Jesus, tendo ouvido isto, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes;

Marcos 2:17

Olá, tudo bem?

Hoje, a minha intenção ao escrever este artigo tem um público em especial que desejo alcançar: Os líderes religiosos. padres, pastores, anciãos, diáconos, presbíteros…, sacerdotes em geral. Pessoas que lidam, escutam, orientam, aconselham, ajudam a resolver conflitos, cuidam de um rebanho de pessoas, está ligado as 24 horas do dia. E este mesmo líder também adoece, pois é um ser humano, tem problemas pessoais, em sua maioria, possuem famílias, filhos, esposas, trabalho, uma vida particular. Além dos seus próprios problemas, precisam estar à frente de uma obra onde o bem estar espiritual de diversas pessoas, com características emocionais e personalidades precisam de atenção. Diferente do que algumas pessoas sem conhecimento real deste contexto “acham”, estes líderes estão sempre diante de novos desafios, afinal, os fiéis necessitam do socorro espiritual e isso requer o desenvolvimento de habilidades emocionais, o que chamarei aqui de Assertividade e Inteligência Emocional para lidar com as pessoas em diferente situações.

Mas, mesmo com tantas habilidades, ou não, eles também estão susceptíveis ao adoecimento mental, psicológico e orgânico, afinal, são humanos e vivem em um mundo onde o estresse, a ansiedade e a depressão tem se espalhado de forma assustadora. Esses líderes precisam ter a consciência de que carecem de cuidados. Afinal, o Cuidador, precisa Ser Cuidado, para que possam permanecer realizando o chamado que tanto prezam e amam fazer: A Obra de Deus!

Mas o que é DEPRESSÃO?

“Depressão é um termo utilizado na psiquiatria para designar um transtorno de humor, uma síndrome em que a principal queixa apresentada pelos pacientes é o humor depressivo e, às vezes, irritável, durante a maior parte do dia. No entanto, a depressão é considerada muito mais profunda do que a tristeza. A palavra “depressão” vem do latim depressio, de deprimere, que significa “apertar firmemente”, para baixo”.

A depressão como definição simples é a tristeza ou melancolia da alma, aquilo que produz uma agonia física, mental, emocional de grandes desproporções. Observe, ao pegarmos a estrada encontramos em algumas ocasiões a placa: DEPRESSÃO NA PISTA. Isto significa que vai haver um desnível da pista para baixo, ou seja, vai haver uma caída. Vai sair do normal para uma situação inferior. É exatamente assim que acontece na depressão, o emocional fica debilitado em uma instância inferior.

A depressão pode ser Endógena, ou seja, fatores internos do organismo, hormonal, a química do organismo. E como eu costumo dizer, química precisa de química. Entra aqui os medicamentos necessários para o controle ou estabilidade mental do indivíduo. Os medicamentos são necessários para equilibrar esses desequilíbrios internamente.

Quanto à depressão Reativa, esta é desencadeada por pressões do dia a dia, perdas, injustiças, conflitos nos relacionamentos, problemas no trabalho, decepções, o sentimento de culpa. Em outras palavras, agentes externos pressionando as nossas emoções. O estresse e a ansiedade são fiéis aliados da depressão. Diante disso, o tratamento psicoterápico e medicamentoso com especialistas competentes é de fundamental importância. Pois, ao contrário das demais doenças, ela não pode ser ‘curada’ apenas de forma medicamentosa, afinal, ela é uma combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais.

A depressão e as doenças do coração são males terríveis que têm aumentado de forma assustadora, porém, a depressão é a menos diagnosticada e é uma das mais terríveis em debilitar o ser humano. A questão é que muitas pessoas não são diagnosticadas com a doença, por dois motivos: um é pela falta de informação e outra questão é a não aceitação da doença como uma verdade.

Entendam! A depressão é uma doença como outra qualquer!

Ela não respeita crianças, adolescentes, pessoas de todas as idades, raças, continentes, regiões e classes sociais. Quanto mais tempo se espera para admitir que precisa de ajuda, maior se torna o quadro clínico, pois a doença vai tomando outras proporções e debilitando cada vez mais a pessoa.

Um grande problema sofrido pelas pessoas que padecem desse mal, é o estigma! E isso começa, muitas vezes, dentro de sua própria família. Pessoas desinformadas consideram eles vagabundos, e o tratam de forma humilhante, desrespeitosa e absurda, chamando-os de preguiçosos, que não completam nada, e deixam tudo pela metade. Esses desinformados não têm ideia que estas pessoas possuem uma doença que a cada dia os debilitam ainda mais. Líderes religiosos, com vocês não é diferente, pois ainda precisam lidar com a pressão dos  fiéis leigos que desconhecem a realidade da doença e ainda espiritualizam tudo, chamando-os de ‘fracos na fé’.

A título de informação: segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), até 2020, a depressão será a segunda causa de incapacitação, ficando apenas atrás das doenças cardíacas.

Para ser prática e objetiva, pesquisei e irei apresentar os sintomas da depressão divididos em quatro categorias: comportamentos, sentimentos, pensamentos e físicos.

Comportamentos: Não tem vontade de sair mais de casa; dificuldade de realizar as coisas no trabalho e na escola; afasta-se de amigos e família; uso de álcool e sedativos; as atividades que sentia prazer, não sente mais; choro e falta de concentração.

Sentimentos: Triste, miserável, desapontado, infeliz, indeciso, falta de confiança, frustrado, irritado, culpado e sobrecarregado.

Pensamentos: “As pessoas ficarão melhor sem mim”, “Não vale a pena viver”, “ Sou inútil”, “ Nada de bom acontece comigo”, “ É minha culpa”, “Eu sou um fracasso”.

Físicos: Perda ou ganho de peso; muito ou pouco apetite; insônia ou sono demais, problemas intestinais; dores de cabeça, musculares; sente-se cansado a maior parte do tempo; o surgimento de doenças com mais frequências e desânimo cada vez maior.

Diante disso, por favor, seja sincero, sente alguns desses sintomas?

Se sim, busque tratamentos clínico especializado para CUIDAR DE VOCÊ! Sua saúde está em jogo e você é responsável por ela.

Líderes religiosos, está na hora de buscar ser tratado e curado, pois, somente assim você conseguirá dar continuidade aos seus trabalhos ministeriais. Lembre-se: você é um Ser Humano como qualquer outro Ser Humano que adoece e merece ser cuidado.

Um grande abraço!

Fique com Deus.

 

(*) Claudia Correia de Melo Torres é terapeuta de adolescentes, individual e de casal. Escritora. Palestrante. Faz atendimento online para você e sua família. Skype: claudiacorreiamt / 82- 9 9641-5787.

 

 

 

 

Assuntos desta notícia