Política Local – 05/05/2019 – Jornal A Gazeta

Política Local – 05/05/2019

Retaliação

Se fortalecem os rumores de suposta retaliação dentro da Polícia Civil aos delegados que se posicionaram contrários a mudança do status de Secretaria a Departamento. A cúpula de a Segurança Pública negar, mas o apelo do primo do governador, o empresário Orleilson Cameli, nas redes sociais, fez surgir uma nuvem de fumaça nessa história.

Apelo

Em sua página no Facebook, Orleilson não só reforça a história da retaliação como também lembra a Gladson Cameli que os delegados envolvidos foram fiéis a candidatura do progressista. “Gladson meu governador, abre teu olho meu primo, delegados fiéis a tua candidatura estão sendo substituído por um grupinho que foi o inverso. Não permita isso, por favor!”, escreveu.

Silêncio sepulcral

Ninguém da equipe governamental comentou sobre a postagem de Orleilson. Nos bastidores o que se comenta é que existe uma determinação para não se tratar mais sobre o assunto. Já foi batido o martelo quanto à mudança de status, portanto, não há mais anda a se tratar.

“Fale Com o Governador”

Durante participação do programa de rádio ‘Fale com o Governador’ ontem o vice-governador Major Rocha voltou a abordar o assunto. O tucano reforçar que essa mudança não tira a autonomia da PC.

Junção

Na realidade, o que acontecerá de fato é uma junção do órgão junto a Secretaria de Segurança Pública. Atualmente, a Polícia Civil trabalha de forma independente. Portanto, é falsa essa ideia de que o governo irá acabar com a PC.

Prejudicando

Rocha reforça também que a guerra interna na PC tem prejudicado a atuação do órgão no combate a criminalidade. “Já chegamos ao ponto de numa reunião com desembargadores da Justiça Criminal serem apontados baixos índices no que diz respeito à investigação e elucidação de crimes. Precisamos acabar com isso e focar as instituições no combate a criminalidade”, destaca.

O Guardião

E sobre o Guardião, outro assunto de grande polêmica entre os delegados da Polícia Civil, frisou que a ideia é que o equipamento seja gerido por meio de um conselho formado por membros do Ministério Público, Justiça Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, Secretaria de Segurança e Iapen.

Objetivo

A ideia é evitar que o uso do Guardião continue sendo colocado em suspeição. É fato que equipamento sempre gerou muita polêmica, principalmente devido a denúncias de que seria utilizado para fins de perseguições políticas.

Esperar

Vejamos se as mudanças serão de fato benéficas como o atual governo vem pregando.  Esperar para ver!

E agora?

Enquanto o governo fica nessa briga de gato e rato com a Secretaria da Polícia Civil, cresce a quantidade de homicídios, roubos e assaltos na Capital. Não é só a Polícia Civil que vive uma crise, sem dúvidas.

 Não demite

O governador Gladson Cameli (PP) garantiu que não irá demitir o secretário de Produção e Agronegócio, Paulo Wadt. O vice-governador Major Rocha chegou a dizer que “a demissão de Wadt será tema de uma reunião com Gladson após a sua chegada”, porém, nada confirmado até o momento.

Na lista

Outro que está sendo ameaçado de demissão pelo Major Rocha é o comandante da PM, coronel Mário Cesar. Rumores dão conta de que ele só aguarda Cameli chegar da Colômbia para pedir a cabeça do militar.

Guerra

Essa história tende a piorar, ainda mais depois da resposta do coronel a Rocha. Não cometeu irregularidades, portanto, não abandonará o cargo. E mais, o fato de “não ter” boa relação com o secretário de Segurança Pública não o impende de executar devidamente os trabalhos.

Resolvendo

Os argumentos de Rocha para o pedido de exoneração foram jogados por terra pelo comandante da PM. Caberá agora ao governador amenizar esse clima de tensão que se instaurou no órgão. Há quem diga que Gladson, dessa vez, terá que escolher um lado. Rocha ou Mário César. Quem vence essa batalha?

Fase

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP), está em uma fase boa de sua gestão. Tem conduzido bem os trabalhos da gestão e com isso conseguido a aprovação da população. Vai garantido, pelo menos por ora, a sua reeleição.

Na base

O deputado Antonio Pedro (DEM) confirmou que não existe a possibilidade de deixar a base governista. E quanto à possibilidade do DEM deixar a aliança com Cameli, amenizou a situação. Um assunto que ainda será debatido no partido, mas de cabeça fria.

Comissão Especial

O deputado estadual Edvaldo Magalhães (PCdoB) cobra a criação de uma Comissão Especial na Aleac para avaliar indicações à Ageac e AcPrev. E ainda pondera: “a demora na nomeação dos gestores não pode perdurar e pediu celeridade”.

Aprovado

Apesar da pequena “exigência” do comunista, não existe risco dos nomes serem reprovados, conforme aconteceu anteriormente.

Assuntos desta notícia