Política Local – 10/09/2019 – Jornal A Gazeta

Política Local – 10/09/2019

Fim da novela

Enfim terminou a novela da Sefaz. Semírames Dias voltou ao cargo de secretária, depois de um afastamento de cerca de 10 dias. Seu nome deve ganhar respaldo do governador. E agora é de se esperar que ela tenha liberdade para trabalhar, ou seja, ser o “segundo Gladson”, aquele que libera, e não o que trava as coisas.

Sorrisos e mistério

O retorno de Semírames será marcado com muitos sorrisos, alegria e arco-íris no céu. E parece que nunca vamos saber, ao certo, o que realmente levou a gestora a pedir para sair do cargo. Talvez mais adiante se descubra os reais motivos. Mas, por enquanto, pairará o mistério.

Soa esquisito

Misterioso, também, foi esse programa “Fale com o Governador” do último final de semana, mas não com o governador, e sim com os secretários de Educação e de Turismo. É certo que o homi está na Alemanha. Mas, como pode haver um programa pra falar com o governador, sem ele? Pra mim soa estranho. Melhor seria mudar a concepção quando o Gladson não estiver.

Problemão!

Está pegando fogo! Não, não é a floresta. É essa greve da Saúde. Quando as coisas pareciam estar se ajustando, com a inauguração do Pronto Socorro e demandas de cirurgias sendo retomadas, acontece essa greve. Equipe do governo tem que tentar dissipar esse movimento grevista rápido. Caso contrário, a população vai sofrer, e o desgaste à gestão vai ser grande.

Investigado

O deputado Gehlen [ou Gerlen, depende de quem escreve] Diniz, do Progressistas, é alvo de investigações do Ministério Público do Estado. A denúncia é de supostas vendas de lotes de terra irregular em Sena Madureira. O MP publicou que o procedimento preparatório do caso está sendo convertido para inquérito civil.

Águas passadas

Gehlen Diniz esclareceu que essa é uma denúncia antiga, feita na Tribuna da própria Aleac ainda na legislatura passada, pelo deputado Daniel Zen (PT). O parlamentar disse que as terras são suas, que fez, de fato, a venda de alguns lotes, mas teve problemas com a Eletroacre, por isso as suspendeu. Diniz disse que é a favor das investigações para tirar a limpo o caso.

Deu em alguma coisa

A tranquilidade de Gehlen Diniz condiz com a de uma consciência limpa. Além disso, a história toda é uma chibatada na cara de quem acha que as denúncias feitas na Aleac não dão em nada. Olha aí, essa resultou em investigações do MP.

Indignados

E tem gente indignada com a veiculação da informação de que os vereadores Laércio da Farmácia (PPB) e N Lima (PSL) estariam recebendo mais de R$ 5 mil em diárias por uma capacitação que foram fazer em Maceió/AL, do curso Introdução ao Orçamento Público – Entendendo o Orçamento, nesta semana, entre os dias 10 a 14.

Sabem de nada, inocentes

Na boa, isso é motivo para se indignar? Acho que esse pessoal nunca foi atrás de ver as diárias de outros poderes, e outros cargos públicos. A dos vereadores é até pequena se comparadas com as diárias de magistrados, procuradores, médicos, ministros e parlamentares federais. A ignorância é uma benção!  E olha que o curso que estão fazendo é até bom, é útil.

Mais um no páreo

Semana começou com mais um na disputa, ou melhor, pré-disputa [eita, TRE nos meus couros] de bastidores à Prefeitura de Rio Branco. O mais novo pré-candidato é o advogado criminalista Sanderson Moura. Seu anúncio teve direito até a postagem no Face, na qual ele já adianta sua arma secreta: “preparem-se para os debates!”.

Pistas?

Agora um ponto do seu anúncio de intenção em ser pré-candidato chama atenção; me deixou com aquela pulga atrás da orelha. Não há nada adiantado sobre qual partido ele vai se filiar, mas em um trecho da sua postagem ele escreve: “Serei o pré-candidato mais progressista de todos eles”. Huuuummmm, sei!

MPF entrou

A repressão às queimadas na Amazônia segue com força total. Semana passada, Jenilson Leite (PCdoB) denunciou multas altas aplicadas pelo Imac em cima de pequenos agricultores em Tarauacá, e pediu para o governador Gladson Cameli resolver. Mas, agora a alçada é federal. O MPF moveu 5 ações contra desmatadores no Acre. Se forem casos parecidos com os expostos por Jenilson, nem que o governo queira, não vai resolver nada. Mas, e aí? Fica como?

Nem bom, nem ruim

Enquanto isso, setembro começou com quase 5 mil focos de incêndios na Amazônia. Caiu em relação a setembro do ano passado? Sim, 61% casos a menos. É bom? Não. Ainda são muitos focos para um país que se diz mobilizado contra as queimadas. Precisamos seguir nessa luta. Além disso, as chuvas dos últimos dias têm sido nossos maiores aliados. Se pararem do nada, pode tudo sair de controle de novo. Precisamos seguir engajados.

Assuntos desta notícia