Política Local – 11/05/2019 – Jornal A Gazeta

Política Local – 11/05/2019

Buscando união

O governador Gladson está decidido a alinhar a base governista na Assembleia Legislativa. E para isso voltou a se reunir com os deputados estaduais. O encontro aconteceu ontem, na Casa Civil, a portas fechadas. Nos bastidores, o que se comenta é que um dos que motivos que levou o progressista a convocar os parlamentares para um cafezinho no “gabinete real” foi o suposto isolamento ao novo líder do governo, o deputado Luís Tchê. O “motim” não foi bem visto pelo governo, que tratou logo de chamar a “galera” e dissipar qualquer clima ruim.

Vai ou  não?

“Agora a coisa vai”. Pelo menos é o que acha o governador. Ao final da reunião, a conclusão que se chegou foi que “quem tá, tá e quem não tá, não ta”. O trocadilho foi usado pelo governador para dizer que as coisas foram resolvidas e que a base caminhará a partir de hoje unida. Bora ver.

O articulador

O ex-deputado Ney Amorim, que atualmente é secretário extraordinário, foi aclamado para comandar a articulação entre governo e os parlamentares estaduais.

Choradeira

Aos jornalistas, Gladson disse que “houve choradeira e pedido de cargos”, por parte dos deputados. O comentário acabou gerando indignação de alguns governistas, mas tudo não passou de fumaça. Problema resolvido.

Reunião

Na segunda-feira, o governador se reúne com os secretários para abrir canal direto com os parlamentares da base.

Cutucou

Cameli ainda cutucou os órgãos fiscalizadores, que constantemente questionam seu governo. Recado foi curto e grosso: “Meu governo tem pouco mais de quatro meses e já estou sendo questionado. Isso é bom! É da democracia, mas queria que esses órgãos também tivessem esses mesmos critérios com as gestões passadas do Estado”. E não é!

Certo

Cameli tem pressa em melhorar o clima tendo em vista que nos próximos dias a nova reforma administrativa deve chegar à Aleac. Sem o devido alinhamento, o progressista corre o sério risco de ter nova derrota na Casa Legislativa.

Presentes na reunião

Estiveram presentes na reunião o presidente da Aleac, deputado Nicolau Junior, o novo líder do governo, Luís Tchê, o ex-líder Gehlen Diniz, bem como os deputados José Bestene, Juliana Oliveira, Whendy Lima, Luiz Gonzaga, Antônio Pedro e Neném Almeida. A ausência dos demais deputados da base fez surgir os rumores de que de fato existe um racha dentro do grupo.

Apoio

O governador fez questão de frisar que “o apoio dos parlamentares é fundamental para a construção de um Estado próspero e que atenda aos anseios da população acreana”.

Oficial

O deputado Luís Tchê (PDT) foi apresentado oficialmente como o novo líder do governo. Terá a dura tarefa de “domar” a base rebelde. Seus maiores desafios serão evitar novas derrotas de Gladson na Casa Legislativa, bem como fazer com que os deputados governistas parem de tecer críticas pesadas ao governador.

De boa

Quem anda se aproveitando dessa situação é a oposição. Não precisam de muitos esforços para mostrar os “erros” da nova gestão, tendo em vista que os deputados governistas andam fazendo e com maestria.

Declinando

A visita do ex-reitor da Ufac, Minoru Kinpara, no ninho tucano ontem fez surgir os rumores de que o vice-governador Major estaria declinando do convite de disputar a Prefeitura de Rio Branco na eleição de 2020. Mesmo Rocha negando tais notícias, a passagem de Kinpara no PSDB foi vista com desconfiança pelo grupo que apoia a possível candidatura de Rocha.

Terá candidatura

Existe a pretensão do PSDB em ter candidatura própria. O assunto já vem sendo tratando há certo tempo dentro da legenda. Inclusive, Kinpara chegou a ser suscitado para entrar na disputa pelo ninho tucano. Uma conversa que ainda precisa ser fortalecida, até porque o nome de Rocha também entrou no jogo.

De olho

Quanto à presença de Kinpara pelo PSDB, Rocha fez questão de lembrar que não é de hoje que a legenda está de olho nele.

Game over

Gamer over para o MDB, que tempos atrás também demonstrou interesse em ter o ex-reitor nas fileiras do partido.

Balançado

Kinpara saiu satisfeito da visita ao PSDB. Recebeu  convite para filiar-se e, de acordo com os rumores, está propenso a aceitar.

Vai ter candidato 

O deputado Roberto Duarte, presidente da executiva municipal do MDB, não gostou nadinha da colocação do governo Gladson Cameli quanto à disputa da prefeitura do próximo ano, na Capital. O progressista disse que a escolha do candidato deverá passar pelo crivo dele. A resposta foi rápida. “O governador manda no partido dele. O MDB terá candidatura própria à Prefeitura de Rio Branco”, disse.

Não foi convidado

Outro fator que poderia ter feito Duarte a rebater as afirmações do governador foi a reunião dos deputados da base com Gladson ontem. O parlamentar emedebista não teria sido convidado para tomar café da manhã com o chefe do Executivo.

Nunca é chamado

O emedebista já havia declarado que a equipe do governador nunca o chama para qualquer reunião que debate propostas para melhoria do Estado. Por ter adotado uma linha independente, Duarte tem sido elijado das reuniões.

Assuntos desta notícia