Política Local – 13.04.2019 – Jornal A Gazeta

Política Local – 13.04.2019

Não vai ter golpe

A instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito deve pautar os trabalhos do legislativo acreano a partir da próxima semana. Isso porque o número de assinaturas no requerimento subiu para onze, dando munição para o deputado Jenilson Leite (PCdoB) reapresentar a propositura.

Perdeu

Nessa queda de braço, o grande derrotado foi o atual governo. Nos bastidores, a notícia que circula é que o governador havia reunido a base de sustentação na Aleac e “pedido” que retirassem a assinatura, o que não necessariamente ocorreu. O resto da história todos já conhecem.

Assinaram

Assinaram o requerimento os deputados Wagner Felipe (PR), Neném Almeida (Solidariedade), Jonas Lima (PT), Jenilson Leite (PCdoB), Edvaldo Magalhães (PC do B), Roberto Duarte (MDB), Daniel Zen (PT), Cadmiel Bonfim (PSDB), Meire Serafim (MDB), Fagner Calegário (PV) e Maria Antônia (PROS).

De volta

Cresce nos bastidores os rumores de que o governador Gladson Cameli (PP) teria determinado a volta da Secretaria de Articulação Institucional (SAI). A ideia já consta na minirreforma administrativa que deverá entrar em pauta na Aleac nos próximos dias.

Motivo

A decisão seria um reflexo da dificuldade de articulação política que tem levado o governo a desgastes importantes como foi a perda da eleição do Sebrae e as consecutivas derrotas na Assembleia Legislativa.

Ney na jogada

O ex-petista Ney Amorim tem sido cogitado para assumir o cargo de principal articulador político de Cameli. Apenas rumores, porém, a abertura de Ney entre políticos da situação e oposição é que dá força à ideia.

Guerra declarada

O documento assinado pelo presidente do PSL, Pedro Valério, “desconvocando” a reunião pedida por Tião Bocalom de nada adiantou. A medida não foi o suficiente para impedir que o ex-prefeito de Acrelândia seguisse com a ideia de levar o PSL para a base de apoio ao governo de Cameli (PP). Ao contrário, instalou-se no partido um clima de guerra, com direito a áudio vazado e ameaças de processo.

Carta Aberta

Bocalom acusa Pedro Valério de tentar barganhar cargos políticos no governo do Estado. Por isso, supostamente tem evitado debater o assunto com os demais dirigentes da legenda. E depois de vazar um áudio em que “comprova” sua tese, Bocalom, em parceria com Fernando Lage, Valdir Perazzo e outras figuras do partido, encaminhou Carta Aberta à direção nacional.

Resposta

Pedro Valério declarou que o áudio foi editado e que vai processar o colega de partido por isso. Ao que parece, o corte impossibilita a compreensão do contexto em que se referiu aos cargos.

Fugindo dele

Bocalom tem sido visto como aquele político que por onde passa deixa um rastro de confusão. Não teve uma saída amistosa nem do PSDB, muito menos do DEM. No PSL tem tentando “impor” algumas vontades (pelo menos é o que se comenta nos bastidores). Chegará um tempo em que nenhum partido vai querer filiar o Bocalom.

Outro candidato

Como o ex-reitor da Ufac, Minoru Kinpara não sinalizou se aceita ou não o convite do MDB para se filiar à legenda e, possivelmente, concorrer à prefeitura de Rio Branco em 2020. Ao que parece, o partido já estaria buscando um novo nome.

De mal

A manutenção dos nomes dos deputados estaduais Roberto Duarte e Meire Serafim, ambos do MDB, no requerimento para abertura da CPI da Energia só corrobora a tese de que as águas continuam turvas entre os dois parlamentares e o Gladson.

Nada de verdade

Nos bastidores rolou uma conversa de que o governo estaria buscando o diálogo com os emedebistas, porém, ambos não estariam facilitando. Ao que parece, Roberto e Meiri não estão interessados em mudar a postura de independência na Aleac.

Na base

O deputado estadual Wendy Lima já é visto como integrante da base de apoio a Gladson Cameli. E a tese se fortaleceu após ser noticiado que na última quarta-feira se recusou a receber o presidente do partido dele, o PSL, Pedro Valério, que esteve na Assembleia Legislativa.

Críticas

Desde que anunciou que retiraria o nome do requerimento para a abertura de CEI para investigar a Emurb, o vereador Célio Gadelha (PSDB) tem sido duramente criticado nas redes sociais.

Questionamentos

A possível saída do PSDB para o PSB também tem sido bastante questionada pelos eleitores. Muita gente se mostrando contrária à decisão dele. Independente de qualquer coisa, só nos cabe apenas aceitar. A vida é dele.

Assuntos desta notícia