Servidores da Saúde encerram greve, mas prometem voltar após recorrer de decisão judicial – Jornal A Gazeta

Servidores da Saúde encerram greve, mas prometem voltar após recorrer de decisão judicial

Os servidores da Saúde encerraram nesta quinta-feira, 12, às 10h, o movimento grevista que começou na terça-feira, 10. A suspensão do movimento veio após a decisão da desembargadora do Tribunal de Justiça do Acre (TJ-AC), Denise Bonfim, que determinou a suspensão da greve sob pena de multa de R$ 15 mil por hora de paralisação. A magistrada levou em conta a superioridade do direto à saúde e a segurança da população.

“No ponto, reputo indispensável mencionar a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal na Reclamação Constitucional nº. 6.568/SP, precedente em que o Pretório Excelso esclareceu a possibilidade de prevalência do direito à saúde e segurança da coletividade sobre o direito de greve dos servidores públicos que atuam em áreas consideradas essenciais”, redigiu ela, em sua decisão.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sintesac), Adailton Cruz, afirmou que a entidade já entrou com recurso na Justiça para pedir o cancelamento da sentença.

“Segundo a desembargadora, nós não mantivemos o quantitativo mínimo nas unidades para garantir a continuidade da assistência. Então, em razão da decisão judicial, nós suspendemos. Já estamos recorrendo da decisão e tão logo a gente casse essa decisão, o movimento retornará”.

A categoria se reuniu com o vice-governador Major Rocha na tarde de quarta-feira, 11, para tentar chegar a um acordo. Porém, segundo Cruz, nada foi, de fato, decidido.

“A reunião com o governo foi muito participativa, discursiva, mas não tivemos pontos concretizados. O governador em exercício se comprometeu em não por faltas nos grevistas, não perseguir os que se manifestaram publicamente”.

O sindicalista disse que Rocha se comprometeu em emitir uma nota pública de pedido de desculpas aos servidores pelo comportamento do secretário adjunto de Saúde. No primeiro dia de greve, houve uma confusão entre o coronel Resende e o deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB).

“Solicitamos que o governo exonere o coronel e a secretária de Saúde. Essa decisão vai ser dada no dia 19, que é quando o Gladson Cameli vai estar presente. Além disso, no mesmo dia, ele vai dar alguns encaminhamentos sobre etapa alimentação, se vai pagar e quando, e sobre a reformulação de plano e a questão do pró-saúde. Mas não há nada de concreto”, explicou Adailton Cruz.

Greve dos Correios

A greve dos funcionários dos Correios também parece ter enfraquecido no Acre, ao contrário do movimento nacional. No primeiro dia de greve, os Correios apresentaram pedido de dissídio coletivo no Tribunal Superior do Trabalho (TST). No Brasil, cerca de 18% dos servidores da estatal cruzaram os braços.

A categoria deflagrou greve por tempo indeterminado na noite de terça-feira, 10. A paralisação acompanha o movimento grevista nacional contra a privatização dos Correios e por reajuste salarial da categoria.

“Está acontecendo uma conciliação no TST, mas, no momento, não vejo que o TST irá fazer isto. Eles estão construindo uma saída para a greve. Vamos aguardar. A nível nacional, a greve se intensificou, por isso recorreram ao TST”, disse a presidente do Sindicato dos Correios e Telégrafos do Acre (Sintec/AC), Suzy Cristiny.

 

Assuntos desta notícia