ARTIGO: Silenciados – Jornal A Gazeta

ARTIGO: Silenciados

O servidor público do Estado do Acre deve estar tonto com tanta porrada que vem tomando ultimamente. Não há um dia de sossego para esse povo trabalhador que dedica a vida a fazer o sistema funcionar.

Qualquer pessoa que tenha seus direitos suprimidos irá querer, com legitimidade, questionar e participar da ação que visa abater isso. Aqui no Acre não pode.

No dia da votação da reforma da Previdência Estadual, grades de contenção foram colocadas na entrada da Aleac, para impedir a entrada dos servidores naquela que é, ironicamente, chamada de “Casa do Povo”. Mais de 300 policiais também foram colocados a postos para intervir em qualquer situação.

Enquanto, do lado de dentro, deputados votavam o futuro de várias pessoas, lá fora os servidores levantavam cartazes. Alguns, mais emocionados, até jogaram ovos na Aleac. Policiais acabaram sendo atingidos e, muito profissionalmente, não perderam o controle.

De forma “armada”, o governador Gladson Cameli, autor da proposta da reforma da Previdência estadual, chamou a atitude de jogar ovos de “falta de respeito”. Ele deveria, no mínimo, economizar críticas aos servidores neste momento.

Indignados com o tratamento nada cortês do Governo do Acre, a categoria da Educação logo anunciou a pretensão de uma greve geral como resposta à falta de diálogo com o Executivo e Legislativo.

A greve não chegou se quer na esquina. Foi abortada num estalar de dedos. Uma liminar ao pedido de tutela de urgência foi concedida pelo desembargador Júnior Alberto, do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC).

Ao Jornal A GAZETA, a presidente do Sinteac, Rosana Nascimento, desabafou: “Nem declaramos greve, e a Justiça já apontou irregularidades para declarar ilegal. Como pode declarar ilegal uma coisa que nem começou? A categoria se sente sem saída. A verdade é que não existe Justiça para o servidor”. Indignação essa totalmente compreensível.

O que resta aos servidores? Não podem acompanhar votação sobre seus direitos. Não podem sequer pensar em greve. Não podem… Não podem… Tentam a todo o custo silenciá-los.

Ano que vem se faz um esboço para um reforma administrativa. Preparem-se, pois essa promete causar ainda mais reboliço. Afinal, quando foi que uma reforma feita pelos poderes foi mais benéfica ao pobre e trabalhador?

 

BRENNA AMÂNCIO

 

Assuntos desta notícia