Um espinho na carne – Jornal A Gazeta

Um espinho na carne

Depois de dias tensos na política, hoje resolvi escrever algo que nos aproxime mais de Deus. Sempre é necessário que o homem esteja mais próximo do seu Criador. Claro que respeito os pensamentos contrários. Mas, sem muita conversa e indo direto ao assunto que me traz aqui, quero meditar um pouco sobre submissão.

Como base terei a 2 Carta de Paulo aos Coríntios 12:7-10. Nesses versículos, o apóstolo, considerado por ele como o menor entre os apóstolos de Cristo, pois ele não era um dos doze e além disso, Paulo, era, antes, um perseguidor de Cristo até ter um encontro com Jesus no caminho de Damasco. Mas enfim, passado esse preâmbulo sobre o apóstolo, Paulo tinha uma enfermidade que a Bíblia não revela qual era ou alguém que o perseguia veementemente, mas as Escrituras, no entanto, mostram que era um mal concedido a habitar em Paulo para que ele não se vangloriasse das coisas que Deus havia lhe falado em revelação.

O texto Sagrado mostra que Paulo pediu a Deus, por três vezes, que fosse curado daquela enfermidade, mas o SENHOR disse a ele que apenas a sua graça lhe bastava, ou seja, a benevolência do SENHOR. Em outras palavras, o amor de Deus, por Paulo, era o sufi-ciente. Era mais interessante que o curá-lo. Por meio daquela enfermidade, o apóstolo Paulo era completamente submisso a Deus.

“Foi me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar”.

E, Paulo, em tom de humildade, de servo, se submete a vontade do Senhor dizendo: “De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo”.

Você pode perguntar como assim? Por que suportar tantas dores? Porque Paulo sabia que o amor de Jesus Cristo por cada um de nós era mais importante, e não há nada melhor que ter a garantia que o favor do SENHOR é por àqueles que o buscam.  O texto bíblico revela que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Ora, quer dizer tudo vai convergir em favor daquele que se dispõe a amar o SENHOR.

Amados, Jesus Cristo está acima de religiões e de vãs doutrinas. Entristeço-me quando vejo lideranças religiosas se aproximando do poder e colocando seus rebanhos a disposição de lobos e mais dolorido é saber que querem manipular o pensamento dos cristãos para atender seus próprios interesses. Onde está o interesse em Cristo? Que possamos ter um espinho na carne para nos esbofetear todos os dias e sabermos que somos pequenos e insignificantes, que todos perecem como a erva que hoje existe e amanhã é cortada e jogada no fogo.

* José Pinheiro é  jornalista.
E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia