Pai solo e missionário conta sobre os desafios e alegrias de criar a filha sozinho

por Dell Pinheiro

O professor de inglês, Diego Dias, de 30 anos, cria a filha Mariah Eduarda, atualmente com 12 anos, desde que ela tinha 4 anos. Das situações rotineiras, vivenciadas, geralmente, pelas mulheres, ao desafio de levar a filha junto, em suas missões evangelizadoras pelo mundo, ele afirma que a "paternidade ativa" é uma missão

Transformação! Essa é a palavra que define a experiência da paternidade, um consenso quase que unânime entre os pais, os que realmente assumem a tarefa de cuidar e de prover um outro ser.

Do amor incondicional; do filho que transforma a rotina, relações e prioridades. Para o gestor de mídias sociais e professor de inglês, Diego Dias, de 30 anos, o laço paterno é “nó que não desata”, um vínculo que se torna cada vez mais forte com a filha, Mariah Eduarda Araújo Dias, de 12 anos, que ele cria sozinho, desde que ela tinha apenas 4 anos de idade.

A criação dos filhos, culturalmente, é tarefa majoritariamente feminina, sendo da mãe a responsabilidade de estar o tempo todo com a criança, de criar, alimentar educar e cuidar das demais tarefas diárias. Para Dias, entretanto, essa definição teve um outro contexto, pois essa ‘missão’ foi toda dele, o da paternidade ativa, após uma relação tumultuada com a mãe de Eduarda.

O gestor de mídias sociais enfatizou que não foi fácil cuidar sozinho da filha, porém, o amor sem limites por Mariah, e sua fé em Deus, o fortaleceu.

Ele conta que, quando Eduarda ainda estava no ventre da mãe, conheceu Deus de verdade. “Me entreguei totalmente à minha fé, como estou até hoje, e criei minha filha nos princípios cristãos, ensinando valores, e, acima de tudo, dando exemplo. Na minha opinião, esta é a maior herança que um pai pode deixar a seu filho. Fui missionário, até mesmo fora do Brasil, mais especificamente nos andes peruanos.

O professor de Inglês finaliza dizendo que ser pai é uma dádiva, um presente do Senhor. “Minha filha já está com quase 12 anos, e nossa relação segue pautada com muito amor, somos parceiros. Ela diz que sou o melhor amigo dela, a pessoa que ela mais ama e confia. No entanto, o que ela não sabe é que fui privilegiado por Deus por tê-la em minha vida. Eduarda foi meu “curso de teologia avançado”.

Acompanhe A Gazeta do Acre Todos os dias conteúdo para você se manter informado. Acesse o site e nos siga nas redes.