Zoológico de Brasília faz “chá revelação” para filhote de macaco descoberto no Acre – Jornal A Gazeta

Zoológico de Brasília faz “chá revelação” para filhote de macaco descoberto no Acre

O Zoológico de Brasília fez neste sábado, 13, um “chá revelação” para divulgar o sexo de um filhote de bugio-ruivo. O “bebê” de Riquinha e Chokito nasceu no dia 22 de maio, mas não foi possível fazer um exame físico preciso para detectar se é macho ou fêmea. O macaquinho é macho e foi batizado de Tutu. Caso fosse fêmea, o nome seria Tuca.

Esse é o primeiro filhote do casal de bugios – também chamados de guaribas em algumas regiões do país. Chokito e Riquinha chegaram ao zoológico, em 2010, com 10 meses de idade. Órfãos de pai e mãe e sem bando, os dois primatas foram encontrados no Acre e considerados inaptos para o retorno ao ambiente natural.

Para a revelação, no Micário do Zoo, uma caixa foi colocada no ambiente com pinhatas azuis ou rosa, a depender do gênero informado pelo exame. Quem acompanhou o evento pode aprender sobre as peculiaridades da espécie e os cuidados que as mães bugios tomam com os filhos, que vivem agarrados aos pelos nos primeiros meses de vida.

Segundo informações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) sobre os bugios-ruivos, esses animais vivem em grupos de três a oito indivíduos, pesam entre 4 kg e 7 kg, e têm hábitos arborícolas. O macho adulto – maior e mais pesado – é quem comanda o grupo.

Uma das singularidades pela qual o bugio-ruivo é conhecido é o seu ronco, que pode ser ouvido a quilômetros de distância. Esse som é usado para a comunicação dentro do grupo e defesa de território.

FOTO/ TIAGO SEVERO
Assuntos desta notícia