Negociando – Jornal A Gazeta

Negociando

Você já parou para pensar que todos nós somos negociadores? Que estamos o tempo inteiro negociando interesses? Os negociadores profissionais, esses que trabalham com vendas em geral tem um interesse em comum: vender o seu produto. E nós? O que estamos negociando no dia-a-dia?

Um estudo apontou que nós, negociadores amadores, negociamos cerca de 30 a 50 vezes por dia. No geral, casais vivem de negociações. Para ele ir para o futebol, ela precisa fazer a aula de dança que tanto gosta e ele não. Qual a solução? Ele vai pra pelada semanal, e ela faz a matrícula na aula de dança. Um bom negócio para ambas as partes.

Se você mora em uma casa com muitas pessoas e apenas um banheiro, a negociação é, em sua maioria, do mais esperto. Quem vai usar o banheiro primeiro? Quem vai lavar a primeira louça do dia? São trocas de favores que, na verdade, são negócios do dia-a-dia. Três mulheres e um secador. Qual a possibilidade de dar briga? Todas. Para isso, uma negociação amigável resolve o problema.

Se pararmos pra pensar, tudo na vida é uma negociação. Quem vai usar o carro, quem vai fazer o almoço, quem vai tirar o lixo, quem vai buscar as crianças na escola… Mas, quais são os tipos de negociantes?

Aquele impaciente, que é prático, mas pode acabar “atropelando” a outra pessoa. Esse tipo de pessoa quer resolver tudo rápido, é ansioso e impaciente. Negociante sedutor, ele usa a sedução, um sorriso, um ‘jeitinho’ de falar pra te conquistar. Existem também aqueles negociantes que não sabem dizer não, os cooperantes, são aquelas pessoas que são boas, fazem de tudo para agradar, mas dizer não realmente é uma tarefa difícil.

E que não conhece aquela pessoa com espírito de liderança? Que define tudo, resolve tudo, está sempre a frente dos problemas e das grandes festas. Lado positivo? É vista como um líder. Lado negativo? Pode se sobrecarregar.

Mas, contudo isso, a grande verdade é que nós já nascemos negociando. Somos todos bons de negócio, só não sabemos como usar esse “poder”. Acordos ruins prejudicam o trabalho, os relacionamentos e o cotidiano de qualquer pessoa. Certo? Bom mesmo é sempre estar preparado para um negócio!

* Bruna Mello é jornalista
bmello.90@gmail.com

Assuntos desta notícia