ARTIGO – Os indígenas brasileiros pedem socorro  

O Ministério do Meio Ambiente, dirigido por Ricardo Salles, conseguiu junto ao Conselho do Meio Ambiente aprovar a extinção de regras ambientais que protegem estinga e manguezais.

Existem hoje no Brasil 305 etnias com aproximadamente 900 mil indígenas que falam 274 línguas diferentes. A pandemia do Covid-19 atingiu 71 povos indígenas. Segundo a Articulação dos Povos Indígenas no Brasil (APIB).

O centro da epidemia está no estado do Amazonas, onde foi constatado que poucos profissionais de saúde indígena na Amazônia Brasileira estavam contaminados com Covid-19. Oficialmente morreram cerca de 142 indígenas Kokama do Alto Solimões e após a morte de um indígena Yanomami em Roraima, a Hutukara Associação Yanomami decidiu que eles iriam se embrenhar na mata para fugir da contaminação. As terras Yanomami estão invadidas por mais de 20 mil garimpeiros de ouro.

Em Manaus, o caos é total. O Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) confirmou que muitos pacientes indígenas com outras doenças se contaminaram na Casa de Saúde Indígena, em hospitais estaduais e municipais e depois voltaram para suas aldeias

A segunda região do Brasil mais atingida pelo Covid-19 é o Nordeste, onde os indígenas vivem nas regiões mais pobres. No Brasil inteiro, os números sobre Covid-19 estão subnotificados. Sonia Guajajara, presidente da APIB revela que “os números apurados pelo movimento indígena, quando comparados aos da Secretaria de Saúde Indígena (Sesai) revelam uma discrepância absurda. Além da negligência do Estado brasileiro, há um racismo institucionalizado“.

O país possui 34 Distritos Especiais de Saúde Indígena (DSEI), responsáveis pelo atendimento dos indígenas aldeados, mas 36% dos indígenas do Brasil vivem em área urbana e não são atendidos pelos DSEI e sim pelo Sistema Unificado de Saúde (SUS) onde os indígenas são geralmente discriminados.

A falta de uma ação nacional no combate à pandemia atingiu os povos indígenas em todas as regiões de norte a sul do Brasil agravando a dramática situação já existente. Em 2019, 150 terras na Amazônia sofreram invasões de grileiros, madeireiros e garimpeiros, instigados pelo Governo Federal. Estão queimando florestas, assassinando lideranças e além disso o governo federal apoia que os missionários evangélicos catequisem a qualquer custo os indígenas.

Apesar de tudo isso, os indígenas brasileiros nunca estiveram tão organizados. A APIB realizou uma grande Assembleia Nacional de Resistência Indígena on-line para tratar de assuntos como lutar pelos seus direitos há 520 anos, os indígenas estão se unindo para encontrar novos caminhos e exigirem melhores condições de assistência à saúde, defesa de suas terras e do meio ambiente e diagnósticos regionais sobre o Covid-19 nas aldeias.

A nova medida prejudicará de modo alarmante a situação dos índios brasileiros.



Beth Passos é jornalista 

E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia