Petecão comemora liberdade do jornalista Antônio Muniz, mas, adverte sobre tentativa de barrar trabalho da imprensa

peteca
No Plenário, parlamentar acreano prostesta contra prisão com base na extinta Lei de Imprensa e tentativa de intimidar profissionais de imprensa

A anunciada liberdade do jornalista Antonio Raimundo Ferreira Muniz, colunista de política da TV e do jornal O Rio Branco, do Acre, na sexta-feira (4), não apagou a arbitrariedade da ação da justiça do Estado e nem a tentativa de intimidar a livre imprensa com o uso truculento de algemas. A opinião é do deputado Sérgio Petecão (PMN/AC), que fez questão de manifestar, com discurso no Plenário, sua revolta contra o que qualificou de “abuso desnecessário”. Se dizendo “indignado” com a prisão que aconteceu no último dia 2, por determinação da juíza Maha Manasfi, da Vara de Execuções Penais e Central de Execução de Penas Alternativas de Rio Branco, Petecão assinalou que a prisão em si, no Complexo Penitenciário Francisco D’Oliveira Conde, chocou toda a classe jornalística e toda a população de Rio Branco.

Com base nos artigos 22 e 23 da extinta Lei de Imprensa, o jornalista foi condenado, em 2002, a um ano de prisão em resposta a um processo de difamação movido pelo senador Tião Viana por conta de um artigo publicado em 1999. O jornalista cumpria a pena em regime semi-aberto, mas, no entendimento da juíza, a manutenção do regime semi-aberto estava prejudicada pela falta de compromisso do reeducando para com o cumprimento da pena e das condições estabelecidas, sem qualquer justificativa.

Na sexta-feira, no entanto, o jornalista Muniz se apresentou à Justiça para explicar o não-cumprimento do acordo com a Justiça e, tão logo prestou os esclarecimentos, foi posto em liberdade. De acordo com a juíza, o jornalista teria sido preso pelos oficiais de justiça por não ter sido encontrado para prestar esses esclarecimentos.

Petecão destacou que o que mais chocou no episódio foi a forma como o profissional de imprensa foi preso. “Algemado na frente de sua esposa, na frente de sua família, na frente de seus colegas, ele foi humilhado e tratado com um marginal de alta periculosidade”, argumentou, sugerindo que o tema possa ser pautado na mídia nacional por envolver o crcemamento da liberdade de imprena. “O Acre não pode voltar aos anos de chumbo da ditadura, onde a repressão aos veículos de comunicação e a caça aos jornalistas eraprática comum”.

Segundo Petecão, todos os moradores de Rio Branco sabem que o jornalista Antonio Muniz não representa perigo nenhum para a sociedade de Rio Branco, não representa perigo nenhum para nenhum cidadão riobranquense. “Nem por isso deixou de ser algemado”, protestou.

“Esse é um processo por conta de alguns artigos que o jornalista Antonio Muniz escreveu contra o senador Tião Viana (PT/AC) e eu não quero acreditar que a violência dessa prisão foi para dar satisfação ao ilustre senador, porque esse tempo eu achei que já tinha passado no Estado do Acre”, argumentou Petecão, para quem, infelizmente, a sociedade ainda tem que se deparar com situações como essa. “Embora eu confie na Justiça do Acre, devo dizer que os jornalistas estão com medo e isso é muito ruim para a democrarica”, sustentou.

Deputado Marcelo Ortiz (PV-SP) apoia Petecão

O deputado Marcelo Ortiz (PV-SP) solidarizou-se com o deputado Sérgio Petecão na sua indignação contra a prisão, com o uso de algemas, do jornalista Antônio Muniz. Segundo Ortiz, as algemas são usadas apenas quando quem tem a ordem de prisão oferece resistência. “Somente assim isso é possível de ser realizado” explicou. (Assessoria)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation