Deficiente é seqüestrado, espancado e violentado

Sequestro
O deficiente físico Antônio Rudioson Ferreira, 44 anos, foi seqüestrado na tarde de domingo, 3, de sua casa no Ramal da Zezé, bairro Belo Jardim, e levado para uma chácara onde foi espancado, torturado e violentado sexualmente.

O seqüestro começou por volta das 15h de domingo, 3, quando três homens identificados por Alex Augusto da Silva Cardoso, 30, Joel Jordão Vieira da Silva, 23 anos, e um adolescente de 17 anos foram à casa do deficiente e o seqüestraram.

Na chácara de propriedade de Alex, para aonde a vítima foi levada, teve início a sessão de torturas com espancamento, coronhadas de revólver na cabeça e violência sexual contra a vítima, que segundo alegação dos acusados teria furtado R$ 430 da bolsa de Alex.

Por volta das 3h da madrugada de ontem, após 12 horas de cárcere privado e tortura, a vítima foi abandonada em um matagal próximo a BR-364, de onde conseguiu se afastar até a margem da rodovia e pedir ajuda.

Ameaçado pelos acusados que se procurasse a polícia seria assassinado, o deficiente pediu para ser levado para casa por populares que o socorreram.

Ao chegar em casa sentido dores fortes contou aos familiares o que havia acontecido. O irmão de Antônio ligou para o Ciosp e relatou o ocorrido.

Uma equipe de policiais militares do 2° Batalhão, comandado pela sargento Freitas, se deslocou ao endereço da vítima e ao perceber a gravidade dos ferimentos acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que resgatou a vítima a conduzindo ao Pronto-Socorro, onde deu entrada em estado grave.

Segundo informações da polícia, a vítima sangrava muito e estaria com o rosto totalmente deformado. Mesmo assim ainda conseguiu contar o que havia acontecido informando nomes dos acusados e local do cárcere privado.

Acusados são presos e levados para a Defla – Imediatamente, os militares iniciaram as buscas na tentativa de prender os acusados, que foram localizados em suas casas no bairro Belo Jardim.
Alex Augusto confirmou que o deficiente era suspeito de furtar o dinheiro que estava em sua carteira, mas negou as acusações de tortura, espancamento e violência sexual.

Joel Jordão foi preso em uma empresa na BR-364 quando já estava começando o expediente.

Os três foram encaminhados à Delegacia Central de Flagrantes (Defla). Após ser ouvido, o menor foi transferido para a Delegacia de Proteção à Criança e o Adolescente e Joel e Alex encaminhados para o presídio.

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation