Produtores fazem primeira colheita de tomates produzidos em Rio Branco

Angelin-tomates
“Temos que trabalhar para que os produtores possam ser auto-suficientes”, disse o prefeito Raimundo Angelim ontem pela manhã, durante a colheita da primeira safra de tomates no Pólo Agroflorestal Benfica. Acompanhado do senador Tião Via-na, de secretários, técnicos da prefeitura e do ex-senador Sibá Machado; Angelim percorreu os 500 m² da Unidade de Observação de Tomate em Cultivo Protegido, onde está sendo desenvolvido o projeto piloto de cultivo da fruta em Rio Branco. Hoje foram colhidos os primeiros tomates e a expectativa do produtor rural Hilário Moreira de Araújo é colher entre duas e três toneladas do produto.

“Este projeto é muito importante porque garante a autonomia das importações desse produto. Para se ter uma idéia, a população de Rio Branco consome 100 toneladas de tomates por mês. Com a produção desse produto aqui, acaba com a dependência das importações, e tem outro ga-nho substancial, que é o fortalecimento da cadeia produtiva e o aumento da renda dos produtores rurais”, destacou o prefeito Raimundo Angelim.

A plantação de tomate só foi possível graças ao apoio da prefeitura de Rio Branco por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Floresta (Safra) e da consultoria do Sebrae de Santa Catarina e Sebrae Acre. A chácara de “seu Hilário” como é conhecido, é a primeira a receber o experimento que, segundo o técnico em agropecuária, Jessé Advíncola, tem como objetivo replicar em Rio Branco, o sucesso do plantio que vem sendo realizado desde 2008 na região do Vale do Juruá com 15 famílias.

“Aqui em Rio Branco, começamos na propriedade do seu Hilário, mas vamos dar sequência em mais quatro unidades, em cada um dos pólos agroflorestais do município, além do projeto de Assentamento Benfica”, diz Jessé.

Cada unidade conta com plantio em áreas de Produção em Sistema Protegido – com irrigação e cobertura – de 500 m², com um total de mil pés da fruta que devem produzir, segundo os técnicos da Safra, nessa primeira etapa, entre duas e três toneladas de tomates por unidade.

“Esta é uma expectativa modesta, mas como estamos colhendo a primeira safra, trabalhamos com números iniciais e a expectativa é de que, à medida que avancemos no plantio, melhoremos a colheita a cada safra, a exemplo do que vem acontecendo no Vale do Juruá”, disse o secretário municipal de Agricultura e Floresta, Mário Jorge Fadell.

A chácara Novo Horizonte é a base do projeto experimental na Capital. Lá estão sendo produzidas as mudas que serão plantadas nas outras unidades. Todo o trabalho vem sendo feito com o acompanhamento da consultora do Sebrae de Santa Catarina, Jany Erdmann Toloza, esposa do técnico do Sebrae, o chileno Gaston Toloza, que faleceu ano passado e, como ele, também é especialista em plantação de tomates.

A opção pelo investimento em tomate, segundo os técnicos da Safra se dar por dois motivos: a boa lucratividade do produto por área plantada e o fato de que praticamente toda a produção consumida em Rio Branco é importada de outros estados. “Estamos mostrando que é possível produzir hortaliças com alta tecnologia e com qualidade. A tendência é que a produção aumente a cada ano”, frisou o superintendente do Sebrae Orlando Sabino.

Fortalecer a agricultura familiar

Quando chegou em Rio Branco, vindo do interior do Estado para trabalhar “na praça” como taxista, Hilário Moreira de Araújo tinha um sonho: ter sua própria área de terra para trabalhar na produção. Os amigos achavam que era loucura, que não dava dinheiro, mas Hilário insistiu no sonho, comprou uma chácara de 4,5 hectares no Pólo Agroflorestal Benfica e há seis anos sobrevive basicamente da plantação da couve, embora também produza cebolinha, coentro e macaxeira. Tem um lucro semanal entre R$ 400 e R$ 500 e pretende ampliar os lucros com o investimento na plantação de mil pés de tomates na propriedade.

Para seu Hilário, investir no cultivo de tomate, antes de uma experiência inovadora, é a esperança de melhoria na lucratividade da propriedade. “Eu ainda não entendo muito bem como funciona, mas estou aprendendo e interessado em progredir na produção. Já sei, por exemplo, que os bons resultados dependem não só da assistência técnica, mas também do manejo do produtor. Eu estou fazendo de tudo para que dê certo”, destaca o produtor.

Segundo o senador Tião Viana a iniciativa representa o fortalecimento da cadeia produtiva e do pequeno agricultor. “A prefeitura de Rio Branco mostra que com empenho é possível fortalecer a agricultura familiar e gerar emprego e renda para os produtores”, salientou o senador. (Ascom PMRB)

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation