CARTA DO LEITOR

Caro Silvio,
 Cumprimento-o pela publicação do assunto energia, tão salutar para o nosso atual estágio de desenvolvimento. A julgar pela profundidade e o nivel de seriedade que o assunto energia deva ser discutido, não me parece ser o Sr. Sibá, a pessoa mais indicada para falar sobre a matriz energética do nosso Acre.

Primeiro; ele não tem a isenção suficiente para tratar do assunto, haja vista, estar a serviço dos interesses de um grupo privado que constrói a Hidrelétrica do Jirau, segundo; que a tal falada energia limpa que ele fez pregação aqui, até hoje não funciona em lugar nenhum do Acre, haja vista também, a usina de álcool, a usina de biodiesel e a fábrica de tacos, todos com milhões investidos e sem nenhum resultado prático na produção de energia limpa tão propalada.

Nós empresários já estamos enjoados e cansados de conversas e promessas feitas somente para agradar o rei. Sabemos do nosso potencial hídrico, basta serem cuidados como assunto de interesse público e não ficarem disponíveis para grupos representados por laranjas, como é o caso de Ituxi e Fortaleza do Abunã, que encontram-se bem pertinho aqui de nós, muito mais perto do que Jirau. Então, acredito que,assim como eu, muitas pessoas esclarecidas e comprometidas verdadeiramente com o desenvolvimento do Acre, lemos a sua coluna no dia-a-dia, a respeitamos como veículo de informação de nível e fazemos votos que o assunto seja levado em debate com as forças produtivas do nosso Estado.

Assim, o espaço das Gazetinhas, por ser extremamente valioso, pode ser um espaço para discutirmos e entendermos melhor o que se passa com a gestão do nosso Estado, na área energética, que não está conseguindo uma saída normal para o desenvolvimento. Falar em desenvolver o nosso Estado, sem disponibilizar energia firme e compatível com o mercado, os empregos permanentes que o Acre precisa, ficarão por longos anos a ver navios, isso se a Eletroacre cuidar para que os navios cheguem ao porto de Rio Branco, corrigindo aquele absurdo de ter uma linha de transmissão de energia de alta tensão sujeito a um acidente de grandes proporções se uma embarcação vier a colidir com aquela linha fora dos padrões técnicos para o local.
 
Saudações
Fernando Lage
Consultor e BMA em Gestão Empresarial

Assuntos desta notícia

Join the Conversation