Acre capacita rede de combate à violência contra mulher

O Governo do Acre encerra nesta quinta-feira, 25, o 1º Curso de Advocacy voltado à rede de atendimento à violência contra a mulher.  A palavra advocacy vem do inglês advocate, que significa defender, amparar, apoiar. Nesse sentido, o curso de advocacy reúne o arcabouço de marcos legais, ações e programas visando o enfrentamento à violência contra a mulher em todos os seus níveis.  “Estamos realizando o curso, que é dividido em dois módulos, para 52 responsáveis pelas coordenadorias da mulher das cinco regionais do Acre”, informou Leide Aquino, da Assessoria Especial da Mulher.  As coordenadoras irão replicar o aprendizado em suas jurisdições.

rede_1

Iniciado nesta quarta-feira, 24, no auditório do antigo Departamento de Ações Básicas em Saúde (Dabs), o curso promove o lançamento do Seminário Internacional de Enfrentamento ao Tráfico Contra Mulheres, que reunirá em Rio Branco representantes do Brasil, Bolívia e Peru no próximo mês de julho para debater ações de conscientização e repressão ao tráfico de mulheres na fronteira binacional do Acre. O seminário faz parte da programação do 2º Fórum Social do Acre, que será realizado entre os dias 19 e 24 daquele mês, com previsão de reunir cerca de 10 mil pessoas para discussão de várias áreas e temas. “Teremos seminários nos municípios de fronteira, os quais serão preparatórios ao seminário internacional”, disse a secretária de Estado de Desenvolvimento e Segurança Social, Laura Okamura.

No Acre, o combate à violência contra a mulher é política de Estado. Muitos avanços já  foram obtidos nos últimos dez anos na questão de gênero e de ações voltadas para as mulheres e as famílias. Para o Governo do Estado, é necessário que a sociedade se mobilize e enfrente questões relacionadas à cultura para que as conquistas sejam ainda maiores. “A proposta é conscientizar mulheres que, por desinformação, elas podem ser possíveis vítimas do tráfico, especialmente as que vivem em região de fronteira”, explicou Laura Okamura. Todos os projetos e ações fazem parte do Pacto Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Mulheres, do qual o Acre é signatário desde 2009. (Agência de Notícias do Acre)

rede_2

Assuntos desta notícia


Join the Conversation