Macrozoneamento dividirá Amazônia em dez áreas

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) apresentou hoje (25) a proposta de macrozoneamento da Amazônia Legal.  Para realizá-la, pretende dividir a região em dez áreas principais, sendo que cada uma delas terá uma estratégia própria de preservação e desenvolvimento econômico.

O documento, que em dez dias deve ser transformado em decreto pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, passará a ser uma diretriz para qualquer tipo de ação territorial, econômica (pública e privada) e ambiental nos Estados da região Norte, no Mato Grosso e em parte do Maranhão.  Para que funcione de fato, o plano exigirá a colaboração de Estados e municípios.

Cada área delimitada pela proposta possui uma característica e terá uma estratégia.  A primeira, chamada de “coração florestal”, abrange quase a totalidade dos Estados do Acre e do Amazonas, além de trechos de Pará, Amapá e Roraima.  O objetivo é manter essa região quase integralmente protegida, já que abriga a maior porção de florestas intocadas.  Nessa área, será limitada a criação de novos assentamentos rurais.

Uma das zonas criadas deverá servir como um “cinturão verde” para proteger o avanço da soja e da pecuária na floresta e, para isso, será priorizada a criação de unidades de conservação.  Essa área, chamada “contenção de frentes de expansão”, abrange o sul do Amazonas e o centro-sul paraense.  A região norte do Mato Grosso passa a se chamar “diversificação da fronteira agroflorestal e pecuária”, e terá como foco a implantação de uma indústria sustentável de madeira e incentivos à expansão da agricultura em pastagens degradadas. (Agência Amazônia)

 

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation