Sem PMDB e com PPS ‘rachado’, Petecão lança candidatura ao Senado

O deputado federal Sérgio Petecão (PMN) oficializou na manhã de ontem sua candidatura ao Senado dentro da coligação que tem o tucano Tião Bocalom na disputa sucessória ao Palácio Rio Branco. Para haver a harmonia completa entre as siglas oposicionistas, Petecão e Bocalom terão a árdua missão de convencer os caciques do PMDB a abrir mão de disputar o Governo do Estado e o próprio Senado, já que a legenda quer a reeleição do senador Geraldo Mesquita Júnior.
Petecao-senador
Além disso, o parlamentar precisa torcer para que o PPS apare suas arestas e decida com quem vai seguir em 2010. A oposição está dividida entre as candidaturas ao governo de Tião Bocalom (o mais bem colocado nas pesquisas) e do peemedebista Rodrigo Pinto. “Não é possível que tenhamos dois ou três nomes disputando o Senado”, diz Petecão.  A aliança tucana aglutina, além do PMN, o Democratas, PSL, PSC e PT do B. 

O “consenso” em torno do nome de Sérgio Petecão para o Senado aconteceu em reunião realizada no último final de semana na sede do PSDB. O Democratas pretendia lançar o empresário Fernando Lage para disputar o mesmo cargo, mas ele abriu mão. Já dentro do ninho tucano, o ex-deputado federal Sérgio Barros cogitava em concorrer ao Senado. Nos bastidores, havia a especulação de que Márcio Bittar também brigasse, mas a possibilidade foi descartada pelo diretório do partido.  

Outra sigla que pode oficializar nos próximos dias apoio ao nome de Petecão é o PSol, da ex-senadora Heloísa Helena. Porém, o mais importante neste momento é a adesão dos peemedebistas. “Acima dos interesses políticos e partidários têm que estar os interesses da população acreana. O PMDB é essencial nessa nossa luta”, defende Petecão.

Para o parlamentar, é fundamental que a oposição consiga uma das duas vagas em disputa ao Senado para que a Frente Popular do Acre não tenha a hegemonia na bancada federal. O nome de Sérgio Petecão é apontado como o mais forte da oposição e com possibilidades reais de vitória. O desafio não será nada fácil, já que do outro lado estará o ex-governador Jorge Viana (PT), que deixou o Palácio Rio Branco com alto índice de aprovação. 

Mas o concorrente direto de Petecão não será Jorge. A disputa ficará entre ele e o possível segundo candidato da Frente Popular, o presidente da Assembléia Legislativa, deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB).    

Assuntos desta notícia


Join the Conversation