Pular para o conteúdo

Servidores do Saerb, Eletroacre e Eletronorte ameaçam paralisações

Os servidores do Serviço de Água e Esgoto de Rio Branco (Saerb), da Eletrobrás Distribuição Acre – antiga Eletro-acre – e da filial das Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte), também podem paralisar suas atividades. O alerta é do presidente do Sindicato dos Urbanitários do Acre, Marcelo Jucá.

No Saerb, a paralisação seria a partir do dia 10 de maio, próxima segunda-feira. A decisão será tomada hoje em assembléia geral, a partir das 8h da manhã, na frente da sede da empresa, Centro. Os servidores alegam que estão sem reajuste desde 2005 e apesar das muitas tentativas de negociação são ignorados.

Eles reivindicam também o reajuste do ticket alimentação, atualmente fixado em R$ 12,00 por dia; revisão salarial e melhores condições de trabalho. Caso a paralisação seja deflagrada, apenas 30% dos 180 servidores permanecerão em seus postos de trabalho.
O setor de produção será o maior prejudicado. Dos 80 servidores, apenas 21 continuarão trabalhando. Caso o movimento se estenda por muitos dias à captação e a distribuição de água na Capital podem ser prejudicadas.

“Os trabalhadores produzem e não são valorizados. Pelo contrário, os seus direitos trabalhistas vêm sendo subtraídos pela empresa”, desabafa José Janes, representante dos servidores do Saerb junto ao Sindicato dos Urbanitários. Ontem, ele passou o dia mobilizando os servidores para a assembléia desta quarta-feira.

Na Eletronorte e na Eletrobrás Distribuição Acre as assembléias gerais serão realizadas amanhã, quinta-feira. Os servidores de reunirão nos auditórios das respectivas empresas, oportunidade em que vão deliberar a respeito de uma paralisação de 48h, em datas a serem definidas.

Na duas empresas, os servidores reivindicam a revisão do Plano de Cargos e Remuneração (PCR). Cobram ainda a realização de concurso público para a contratação de novos profissionais. Na antiga Eletroacre, por exemplo, em 1999 a empresa atendia a 92 mil consumidores e tinha 900 funcionários. Hoje atende a 200 mil consumidores e o número de funcionários caiu para 270.

“Na semana passada participamos de uma audiência pública em Brasília, onde foram discutidas melhorias. Porém, esperamos que as propostas não fiquem apenas no discurso. Queremos que elas sejam implementadas de fato”, finalizou Jucá.