Morte lenta

A cada ano o problema se agrava e este não está sendo diferente. Técnicos do Saerb estão novamente preocupados com o baixo nível do Rio Acre e já admitem em ter que usar um plano de contingência para garantir o abastecimento d’água na Capital.

Com efeito, a preocupação é pertinente, mas é preciso que se analise o problema a partir das verdadeiras causas e não apenas atribuindo à estiagem ou ao chamado “verão amazônico”.

O que se vem observando ao longo das últimas décadas é que o desmatamento das matas ciliares e a falta de saneamento básico, jogando todo tipo de esgotos e lixo nas margens e no leito, vêm decretando a morte lenta do Rio Acre.

A derrubada da floresta para a implantação de fazendas ou mesmo da agricultura de subsistência foi o primeiro golpe. Em seguida, na ânsia de fazer grandes obras, sem dar o destino devido ao esgotamento das águas e do lixo, acabou por acelerar o processo.

A menos que se tomem medidas urgentes e até mesmo drásticas para combater essas causas, a Capital e outras sedes de município abastecidas pelo rio terão sérios problemas num futuro bem próximo. Para um estado que se quer modelo de desenvolvimento sustentável será um péssimo indicador.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation