Pular para o conteúdo

Juiz determina envio de fragmentos retirados de Edna Ambrósio para Brasília

O titular da Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Rio Branco, juiz Leandro Leri Gross, atendeu ao pedido formulado pelo Ministério Público Estadual (MPE) e determinou o envio dos fragmentos de projétil de arma de fogo retirados do cadáver da estudante Edna Maria Ambrósio Rego, 23 anos, para o Instituto de Criminalística da Polícia Federal em Brasília (DF). Edna foi morta a tiros de fuzil durante blitz de trânsito no início do ano. 

fragmentosedna
O material deve passar por análise em Microscópio Eletrônico de Varredura (ME), com o intuito constatar a presença de liga asfáltica ou de cimento nos respectivos projéteis. A remessa do material deverá ser feita pelo Instituto Médico Legal (IML) do Acre.

A medida, segundo o promotor Rodrigo Curti, visa esclarecer de forma definitiva a existência ou não de resíduos asfalticos nos fragmentos, em virtude da alegação dos policiais indiciados pelo crime de terem atirado para o chão e não em direção a motocicleta que conduzia a jovem. A partir dessa versão, os disparos efetuados em direção a pista teriam ricocheteado e atingido a vítima.

Versão que, no entender da promotoria, precisa ser esclarecida para que não sejam cometidas injustiças no caso. Isso porque, caso se confirme que houve ricochete, os policiais, em tese, não teriam tido intenção de matar, mas apenas de intimar o casal que se negou a parar na blitz.

De acordo com a perícia, o fragmento encontrado no corpo da vítima Edna Maria Ambrósio Rego foi disparado pelo Fuzil MD2 n.º1575, que estaria sob a responsabilidade do PM Francisco Moreira, também denunciado no caso. O que, em tese, inocenta o outro PM acusado Moisés da Silva Costa.

Uma nova audiência de instrução criminal foi agendada para o dia 29 de outubro. Na oportunidade serão ouvidos os Policiais Militares denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) como os responsáveis pelos disparos que mataram a estudante durante uma blitz de trânsito no início do ano. O início da audiência está marcado para as 8h da manhã. O magistrado já encaminhou oficio ao comando da Polícia Militar requisitando a apresentação de Francisco Moreira e Moisés da Silva Costa. O namorado da vítima, Jeremias de Souza Cavalcante, 21 anos, também responde ao processo na modalidade de homicídio culposo – quando não há intenção de matar.