Binho debate a criação de novo modelo de escola no Cachoeira e inspeciona obras em Xapuri

Governador se reúne com a comunidade para definir investimentos no local que já foi palco da luta de Chico Mendes e dos trabalhadores rurais em defesa da floresta
Binho_escola_Cachoeira
O governador Binho Marques debateu com moradores a implantação de uma nova escola no Seringal Cachoeira e inspecionou obras na cidade de Xapuri, em visita ao município nesta terça-feira, 12.

A proposta do governador é aproveitar ambientes já instalados para criar não uma escola de padrão convencional, mas variados e diferentes ambientes educativos a partir da Escola Municipal Esperança do Povo, onde ocorreu a reunião.

Estiveram presentes o prefeito de Xapuri, Bira Vasconcelos; os secretários de Estado de Obras Públicas, Eduardo Veira, e da Comunicação Social, Aníbal Diniz; líderes comunitários como Duda Mendes, Raimundo Barros  e Nilson Mendes, vereadores e gestores estaduais e municipais. 

 “Acho possível uma escola bonita, com a nossa identidade. Aqui é um lugar histórico e deve ser muito valorizado por nós”, disse o governador, propondo que a velha escolinha coberta de madeira lavrada seja transformada em uma biblioteca e sala-memória, reunindo materiais e documentos acerca do Cachoeira, palco da luta de Chico Mendes e dos trabalhadores rurais em defesa da floresta e do desenvolvimento sustentável.

 A primeira escola foi construída em regime de mutirão, os adjuntos, no tempo em que Binho Marques, Chico Mendes e outros companheiros implantaram uma rede de 40 unidades de ensino nas comunidades do interior de Xapuri.
Para Raimundo Barros, o Raimundão, o local é o emblema dessa luta e, portanto, tem de ser de fato uma memória permanente do socioambientalismo.

“A gente precisa valorizar o que deu início à caminhada que nos fez chegar onde estamos”, disse Raimundão, parabenizando o governador pela ideia, que busca, conforme propõe Binho Marques, juntar o passado e o futuro.

Localizada na Colocação Fazendinha, de propriedade de Francisco Mendes, o Tito, a Escola Esperança do Povo mantém 103 estudantes nos vários níveis de ensino, do pré ao médio, e em sua nova concepção ampliará o atendimento, servindo inclusive de base para jovens de outras comunidades. 

De fato, cada equipamento e ambiente da Fazendinha conta a história da comunidade. No campo de futebol, carinhosamente conhecido como “Estádio Pequiá”, os trabalhadores conseguiam repousar à noite durante os empates mais longos. “Como é aberto, o pessoal tinha como saber se acontecesse alguma coisa”, lembra Nilson Mendes, ele próprio alfabetizado na antiga escolinha ao lado do “estádio”.

O projeto da nova escola está conectado à política de turismo para a região. Há três anos o Governo do Estado construiu uma pousada ecológica no Cachoeira, empreendimento que atrai visitantes do mundo inteiro. Ali, eles podem conhecer as raízes do socioambientalismo e vivenciar o cotidiano de um morador da floresta, a extração do látex, coleta de castanha e absorver melhor a riqueza da Floresta Amazônica e sua importância para o planeta. “Proporcionar algo novo é uma ideia que merece elogios”, disse o prefeito Bira Vasconcelos.

O secretário Eduardo Vieira e sua equipe irão desenhar uma proposta arquitetônica para a nova escola, que tem R$ 900 mil disponibilizados para sua construção. A ideia é que possa abrigar cinco salas de aula com espaços como biblioteca, coordenação e multimeios com conexão ao programa Floresta Digital.

Em reunião prevista para a próxima semana, representantes do governo e da comunidade do Cachoeira e adjacências irão continuar debatendo o projeto que irá potencializar a proposta de levar Xapuri a ser referência em conhecimento e educação na Amazônia.

Uma das bases é o acordo de cooperação do Governo do Estado com o Centro Agronômico e Tropical de Pesquisa e Ensino (Catie), que tem sede na Costa Rica, e com a Universidade de Brasília (UnB) que no Acre especializou-se no ensino à distância. “Temos aqui o processo de uma escola de fato diferente”, observou Josenir Calixto, diretor de ensino da Secretaria de Estado da Educação, referindo-se ao envolvimento de estudantes e seus familiares em projetos educativos, como a leitura ostensiva dos livros disponibilizados pela escola.

Pacto Agrário: polo de Xapuri recebe asfalto e estrutura em cadeias produtivas
Em Xapuri, Binho também fez a inspeção da obra de asfaltamento do Polo Agroflorestal da cidade, que já conta com outros programas estruturantes e de geração de trabalho e renda, como a produção de aves.

O programa de asfaltamento de ramais está presente em vários municípios e já beneficia sete polos agroflorestais em Xapuri, Rio Branco, Epitaciolândia, Porto Acre e Brasileia. No polo de Xapuri, estão sendo aplicados R$ 1,2 milhão em 3,5 quilômetros de pavimentação.

Os investimentos no campo durante o governo Bonho Marques já chegam perto dos R$ 300 milhões com o Pacto Agrário, nos quais inclui-se a pavimentação de estradas coletoras. Quando assumiu o governo, Binho Marques encontrou uns poucos ramais pavimentados e apenas em Rio Branco. Para “deixar de enxugar gelo” a solução é asfaltar ramais produtivos e que atendam prioritariamente a agricultura familiar visando minimizar custos de manutenção e garantir a mobilidade dos trabalhadores durante o ano inteiro.

No início de seu governo, Binho Marques propôs a criação do Pacto Agrário, que garantiria investimentos de R$ 100 milhões ao longo de quatro anos em ações de desenvolvimento rural. O valor foi alcançado apenas com o asfaltamento de ramais.

O Pacto Agrário é o compromisso institucional de se investir pesadamente no desenvolvimento rural do Acre, utilizando-se de recursos obtidos através de emendas parlamentares e convênios com órgãos federais, estaduais e municipais.

“Aqui no polo de Xapuri vemos ação integrada com cadeia produtiva do frango, Luz Para Todos e ramais”, resumiu Marcus Alexandre, diretor-presidente do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, Hidrovias e Infraestrutura Aeroportuária do Acre (Deracre). Até o fim do ano, o governo de Binho Marques conclui 250 quilômetros de ramais asfaltados. “Agora, vamos ter tudo aqui”, comemorou a agricultora Deonilce Zanella.

Fonte do Bosque, Casa do Artesanato, Memorial do Seringueiro e Café Regional
Binho_escola_Cachoeira_5
A as obras da ponte sobre o igarapé Santa Rosa, que liga o centro de Xapuri ao bairro Braga Sobrinho, também conhecido como Bolívia, estão avançadas, conforme constatou o governador Binho Marques. Com 36 metros de extensão, a obra emprega 35 trabalhadores e custa mais de R$ 340 mil. A ponte possui estrutura mista, de ferro com madeira, e dá acesso à zona rural.

A Fonte do Bosque é um dos patrimônios históricos de Xapuri. Sabe-se que a nascente abastecia o bairro da Bolívia, que leva esse nome que porque foi o local onde moraram os bolivianos na época da Revolução Acreana. Ali, Plácido de Castro e seus soldados também teriam matado a sede e alimentado os cavalos antes da batalha de Mariscal Sucre.

A revitalização da fonte está incluída no projeto de reforma e construção de equipamentos turísticos como a Casa do Artesanato, Casa Memorial do Seringueiro e Casa de Café Regional, cujos investimentos chegam a R$ 250 mil. A cobertura está sendo feita com telha de barro fabricada em Xapuri há cerca de 60 anos. A previsão é de que sejam inaugurados em novembro próximo. Binho visitou também o Centro Estadual de Educação Permanente (Cedup) e o Ginásio Álvaro da Silva Mota. (Agência Acre)

Binho_escola_Cachoeira_2

Binho_escola_Cachoeira_3

Binho_escola_Cachoeira_4

Binho_escola_Cachoeira_6

 

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation