Tribunal Pleno mantém prisão de prefeito de Acrelândia

Em sessão ordinária realizada ontem (27), os desembargadores que compõem o Tribunal Pleno decidiram, por unanimidade, negar provimento ao agravo regimental interposto pelo advogado Sanderson Moura que pedia a revogação da prisão temporária do prefeito de Acrelândia, Carlos César Nunes de Araújo, preso desde o dia 7 de outubro, sob a acusação de envolvimento no assassinato do vereador Fernando José da Costa, conhecido como “Pinté”.
Prefeito-nega
Ao fazer a sustentação oral do pedido, Sanderson Moura, que patrocina a defesa do acusado, voltou a afirmar que não existem provas concretas do envolvimento do acusado na morte do vereador Fernando da Costa, e que o gestor estaria sendo vítima de inimigos políticos.

Em seu parecer, o relator do processo desembargador Adair Longuini, afirmou que “a medida se revela imprescindível para regular o andamento das investigações (…), pois o acusado, que detém posição de autoridade no município, uma vez segregado não interferirá na descoberta da verdade, conferindo-se às testemunhas maior liberdade para se manifestar, fato que contribuirá para a rápida elucidação do crime”.

Representando o Ministério Público, a procuradora de Justiça, Vanda Denir Nogueira, pediu o improvimento do agravo, ratificando o parecer do procurador Ubirajara Albuquerque.

Com a decisão, o acusado permanecerá detido, cumprindo prisão temporária de 30 dias, determinada pelo relator do processo.

O caso
De acordo com as autoridades policiais que entraram com a representação junto ao Ministério Público do Estado, as suspeitas recaem sobre Carlos de Araújo porque a vítima (Pinté) havia elaborado um dossiê que tratava de irregularidades presentes nas secretarias de Saúde e de Educação de Acrelândia. (Agência TJ/AC)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation