Acre: Caminhando rumo ao desenvolvimento pelo pacifico

Acompanhando diariamente todas as ações dos quase 100 dias do governo Tião Viana, e olhe que para apenas 3 meses não foram poucas:

Guerra contra a dengue, zona de processamento de exportação, 58 leitos no hospital das clinicas, começo da industrialização no Acre, investimento na psicultura, ovinocultura, plantação de cocôs, ampliação e reforma do pronto socorro, mudança radical no atendimento básico-primário da saúde no Acre, investimento em segurança pública, e muitas outras ações que nesse momento me fogem a memoria, tenho a mais absoluta certeza que nenhum outro governo na historia politica do Acre fez tanto em tão pouco tempo, sabemos que todos esses investimentos tem sua importância e suas particularidades positivas para o nosso Acre, mais com a futura inauguração da estrada transoceânica o nosso estado juntamente com todos os esforços realizados pelo governador Tião Viana, felizmente pela primeira vez o Acre começara a despontar rumo ao verdadeiro e efetivo desenvolvimento econômico, politico, cultural e social, simplesmente porque o Acre tem que se preparar de uma forma conjunta, onde governo, setor privado, e toda a sociedade cada um fazendo a sua parte, sendo que todos indistintamente tem a missão de preparar e adequar o estado do Acre para que o mesmo possa ser o ator principal dessa integração e não um mero coadjuvante, é imprescindível que os produtos da floresta que na atual conjuntura tanto atiçam a cobiça internacional dos países ricos, sejam o centro principal e o foco da maioria das exportações que passarão diariamente pela estrada transoceânica, juntamente com todos os outros investimentos que estão sendo preparados pelo governo Tião Viana.

Não podemos ser passivos e deixar o futuro promissor e o progresso que se avizinham, passar a nossa frente sem sermos os agentes principais destas transformações, como sabiamente citou o deputado federal Ciro Gomes quando esteve no Acre há tempos atrás, onde o mesmo ressaltava que o Acre não poderá se tornar um simples corredor de exportações, o estado do Acre tem com a integração do Brasil ao pacifico, uma oportunidade única em toda a sua historia politica, para que possa ser realizada a real transformação social, cultural e econômica que um estado em franco desenvolvimento precisa, e um passo importante foi dado nesse intercâmbio cultural estudantil, onde o governo do Acre na pessoa do governador Tião Viana deu um passo importante não apenas para o Acre mais também para o Brasil, onde estudantes acreanos estudarão medicina e outros cursos no Peru, e estudantes peruanos virão estudar na UFAC em um futuro próximo.

É preciso que o governo e o setor privado possam estar sintonizados, para que o Acre possa se preparar efetivamente para exportar os produtos que serão transformados pela nossa industria num futuro breve, que apesar de ser ainda pouco expressiva merece toda à atenção e investimentos de forma urgente, para que possamos efetivamente começar a competir com os produtos de outros estados na exportação pela transoceânica, e com isso possamos enterrar de vez a idéia de que o Acre possa se tornar um mero corredor de exportações para os outros estados brasileiros, temos que priorizar acima de qualquer outras possibilidades os produtos florestais e as riquezas da amazônia de uma forma geral, juntamente com os investimentos em outros setores que estão sendo feito pelo governo Tião Viana, para que assim esses produtos possam ser inseridos efetivamente como liderança nas exportações do Acre pela transoceânica, para que os nossos produtos florestais possam fazer frente e acirrar a concorrência com os outros produtos dos demais estados brasileiros e até de outros países.

Não podemos esquecer do impacto positivo dessa integração principalmente para o estado do Acre, por sua estratégica localização geográfica em detrimento dos outros estados brasileiros, pois nós acreanos ficaremos com a certeza dos frutos que serão colhidos em um futuro próximo, entre eles os benefícios de emprego, renda, e desenvolvimento econômico e social, aumento na arrecadação do estado e com isso a possibilidade de mais investimento em educação, saúde, segurança, e mais oportunidades de emprego para os nossos jovens que em sua maioria encontram-se na ociosidade, é preciso também que os atores dessas transformações possam ser equilibrados e comedidos, e que acima de tudo possam conciliar desenvolvimento e preservação ambiental, para que o resultado positivo seja o desenvolvimento econômico e um meio ambiente saudável para que possamos ter uma melhor qualidade de vida, pois sem essa conciliação todo o trabalho terá sido em vão.

*Renacleyton da Silva 30 anos é acadêmico do 8 período do curso de Direito, servidor público, e filiado ao partido dos trabalhadores.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation