Projeção de inflação este ano tem oitava alta seguida e chega a 6,37%

A projeção de analistas do mercado financeiro para a inflação oficial neste ano subiu pela oitava semana seguida. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 6,34% para 6,37%, segundo o boletim Focus, publicação semanal elaborada pelo Banco Central (BC) com base nas expectativas do mercado financeiro para os principais indicadores da economia.

A projeção para o IPCA neste ano está se desviando da meta, que tem como centro 4,5% e limite superior de 6,5%. Para 2012, que tem a mesma meta, a estimativa segue em 5% há quatro semanas.

Cabe ao BC perseguir a meta de inflação e o principal instrumento usado para tentar mudar os rumos da alta dos preços é a elevação da taxa básica de juros, a Selic.

Na avaliação dos analistas, a Selic deve chegar ao final de 2011 em 12,50% ao ano, e não mais em 12,25% ao ano como previsto no boletim da semana passada. Para o final de 2012, a previsão é que a taxa fique em 12% ao ano, contra os 11,75% ao ano previstos anteriormente. Atualmente, a Selic está em 12% ao ano.

No mês passado, na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, que define a taxa, a sinalização foi que haverá mais elevação da taxa Selic. “O Copom entende, de forma unânime que, diante das incertezas quanto ao grau de persistência das pressões inflacionárias recentes, e da complexidade que envolve hoje o ambiente internacional, o ajuste total da taxa básica de juros deve ser, a partir desta reunião, suficientemente prolongado”, diz a ata do Copom.

A pesquisa divulgada hoje pelo BC também traz projeções para outros índices de inflação. A expectativa para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), neste ano, passou de 5,57% para 5,71%. Para 2012, a estimativa subiu de 4,76% para 4,78%.

A previsão para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), neste ano, permaneceu em 7,01%. Para 2012, também foi mantida a projeção, em 5%.

No caso do Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), a estimativa foi alterada de 7,06% para 6,90%, neste ano. Para 2012, a projeção segue em 5%.

A estimativa dos analistas para os preços administrados permanece em 4,80%, em 2011, e em 4,50%, no próximo ano. Os preços administrados são aqueles cobrados por serviços monitorados, como combustíveis, energia elétrica, telefonia, medicamentos, água, educação, saneamento, transporte urbano coletivo, entre outros. (Agência Brasil)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation